Tomas Bravo/Reuters
Tomas Bravo/Reuters

Autoridades dos EUA desmontam rede de lavagem de dinheiro ligada a 'El Chapo’

Esquema enviava milhões de dólares para a Colômbia por meio de negócios em Miami. Operações eram feitas ‘pelo cartel de Sinaloa e sucessores do cartel de Cali’, segundo procuradora

O Estado de S. Paulo

08 Abril 2016 | 11h39

MIAMI - Autoridades americanas desmantelaram uma ampla rede internacional de lavagem de dinheiro ligada ao cartel mexicano de Joaquín "El Chapo" Guzmán, que enviava milhões de dólares para a Colômbia por meio de negócios em Miami.

Em entrevista coletiva, autoridades relataram que 22 pessoas - nos EUA, na Colômbia e em outros países - foram denunciadas por sua relação com a rede, suspeita de lavar dinheiro proveniente da venda de cocaína.

Dos suspeitos, cinco foram detidos, três deles em Miami, um em Boston, e outro em Cali, na Colômbia, informou a procuradora estadual do condado de Miami-Dade, Katherine Fernández Rundle. O restante continua sendo procurado pelas autoridades. "Essas transações foram feitas pelo cartel de Sinaloa e sucessores do (extinto) cartel de Cali", disse Katherine.

Durante dois anos, na chamada "Operação Neymar", assim batizada porque os suspeitos usaram como apelido o nome do craque da seleção brasileira e de outros jogadores, funcionários da Agência americana de Investigações de Segurança Interna (HSI), policiais e procuradores de Miami colaboraram com colegas na Colômbia e outros países para desmantelar a rede.

O esquema era amplo. Suas operações alcançavam 17 países, passando pela América Latina (como Colômbia, México, Guatemala e Venezuela), pela América do Norte (EUA  e Canadá), pela Europa (Espanha, Holanda e Grã-Bretanha), pela Ásia (China) e pela Austrália.

O dinheiro da droga que era "lavado" tinha sua origem em 14 Estados americanos, disse a procuradora. /AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.