Drew Angerer/Getty Images/AFP
Drew Angerer/Getty Images/AFP

Autoridades dos EUA interceptam mais dois pacotes suspeitos

Encomendas tinham como destinatário o senador democrata por New Jersey, Cory Booker, e o ex-diretor de inteligência nacional James Clapper, em carta endereçada à redação da CNN em Nova York; autoridades já interceptaram 12 correspondências

O Estado de S.Paulo

26 de outubro de 2018 | 10h21
Atualizado 26 de outubro de 2018 | 12h27

WASHINGTON - Autoridades federais dos Estados Unidos encontraram mais dois dispositivos explosivos escondidos em pacotes enviados pelos correios nesta sexta-feira, 26. Até agora, as autoridades já interceptaram 12 pacotes suspeitos.

Os destinatários das correspondências localizadas nesta sexta seriam o senador democrata por New Jersey, Cory Booker, e o ex-diretor de inteligência nacional James Clapper, em carta endereçada à redação da CNN em Nova York.

O pacote enviado para a CNN foi localizado na manhã desta sexta-feira em uma unidade do Serviço Postal dos Estados Unidos (USPS) na região de Midtown, em Manhattan, a poucos quarteirões da redação da emissora. Já a correspondência para o senador Booker foi interceptada em uma agência do serviço postal em Opa-Locka, no sul da Flórida.

Veículos de imprensa locais informaram que se trata da mesma agência em que os outros pacotes foram postados tendo como destinatários personalidades democratas e rede de televisão "CNN".

"O #FBI confirmou que um 11º pacote foi recuperado na Flórida, semelhante em aparência aos outros, dirigido ao senador Cory Booker", publicou o FBI no Twitter. Booker, visto como um potencial candidato para a eleição presidencial de 2020, está entre os políticos, outras figuras públicas e a rede de TV CNN que foram escolhidos como alvos para receber pacotes com supostas bombas.

As autoridades procuram pistas sobre os autores e a possível motivação política dos envios, a 11 dias das eleições legislativas no país.

Pelo menos 12 pacotes suspeitos foram enviados desde a última segunda-feira a personalidades democratas do país, com três artefatos dirigidos ontem ao ex-vice-presidente Joe Biden e ao ator Robert de Niro, o que as autoridades qualificaram de "terrorismo".

A investigação agora tenta determinar se os dispositivos foram feitos com a intenção de explodir, ou se simplesmente foram enviados para causar medo.

O FBI confirmou nesta quinta-feira que a legisladora democrata Debbie Wasserman Schultz aparecia como remetente nos pacotes suspeitos enviados a figuras políticas. Debbie representa no Congresso dos EUA um distrito da Flórida e, entre 2011 e 2016, foi a presidente do Comitê Nacional Democrata (DNC, na sigla em inglês), o órgão que dirige o Partido Democrata. / NYT, AFP e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.