Autoridades egípcias acusadas de contrabando de antigüidades

Alertada para o esquema, a polícia suíça fez uma incursão a um depósito duty-free em Genebra, em agosto, e encontrou duas múmias e mais de 300 estátuas, máscaras e sarcófagos egípcios das eras faraônica, romana, copta e islâmica. Era o começo do fim de uma quadrilha de contrabando de antigüidades que hoje está sendo mandada a julgamento pelo promotor geral do Egito.?Este é o mais perigoso caso de corrupção que o Egito já testemunhou recentemente, por que tem a ver com monumentos históricos?, disse o promotor Maher Abdel-Wahed numa entrevista coletiva com a imprensa.O principal acusado, Tarek al-Sawisi, é o ex-líder do Partido Democrata Nacional em Giza, a cidade gêmea do Cairo e o local onde se erguem as pirâmides e tumbas dos faraós mais conhecidas do mundo. Ao mesmo tempo em que a polícia suíça agia em Genebra, a polícia egípcia encontrava mais antigüidades na imensa casa de al-Sawisi em Gisa.O segundo acusado é Mahmoud Said Hasan, ex-funcionário chefe de antigüidades e, Luxor, cuja juridisção inclui vários templos faraônicos e o Vale dos Reis.Segundo Abdel-Wahed, apenas 18 dos acusados por contrabando de antigüidades e lavagem de dinheiro estão presos, incluindo al-Sawuisi e Hasan. Nove são estrangeiros com nacionalidades suíça, canadense, alemã, marroquina e libanesa.Reforçando a acusação, Abdel-Wahed revelou que Hasan supervisionava excavações ilegais na área de Luxor e entregava as peças para que al-Sawisi as vendesse e tirasse do país. Ele subornava funcionários do governo, ainda segundo o promotor, para ter acesso às salas VIP do aeroporto do Cairo e garantir que ele e seus cúmplices pudessem sair sem ter a bagagem examinada.O Egito está aumentando seus esforços para coibir o contrabando de antigüidades. Em janeiro, o chefe do serviço de proteção ao roubo de antigüidades foi preso, acusado de aceitar suborno para facilitar o contrabando. O Conselho Superior de Antigüidades está pressionando para que a pena máxima por contrabando dessas peças suba de cinco para 25 anos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.