Autoridades eleitorais negam irregularidades nas eleições da Venezuela

Oposição diz ter recebido 52% dos votos e mesmo assim ficou com menos cadeiras no Parlamento

estadão.com.br

28 de setembro de 2010 | 11h59

CARACAS - O Conselho Nacional Eleitoral (CNE) da Venezuela assegurou nesta terça-feira, 28, que "não existe irregularidade" nos resultados das eleições parlamentares do último domingo e que "o método que definiu os resultados está na lei", segundo informações do jornal El Universal.

 

Veja também:

linkEleição mostra tendência de queda no apoio ao chavismo

lista Cenário: Oposição teme que revés chavista acelere reformas

mais imagens Galeria de Fotos: Veja imagens da votação

especial Infográfico: Raio X das eleições parlamentares

 

O órgão eleitoral recebeu críticas desde a segunda-feira, quando foram divulgados os resultados das eleições, que deram a maioria do Parlamento para o Partido Socialista Unidade da Venezuela (PSUV), do presidente Hugo Chávez, mesmo que, segundo dados dos opositores, a oposição unificada da Mesa da Unidade Democrática (MUD), tenha obtido 52% dos votos, contra 48% dos chavistas.

 

O CNE tomou como exemplo o departamento de Zulia, onde o PSUV obteve 40% dos votos e só conseguiu 10% das vagas da Assembleia Nacional reservadas ao Estado. O órgão ainda citou o departamento de Anzoátegui, que também favoreceu os candidatos da MUD.

 

"O método favoreceu uns e outros. O modo estabelecido para estabelecer as circunscrições têm uma série de considerações e elas devem ser cumpridas", disse Socorro Hernández, reitora do CNE.

 

A dirigente parabenizou o povo venezuelano pela participação nas eleições. O nível de comparecimento foi de cerca de 66%. "Foi realmente extraordinário pra eleições parlamentares e isso nos faz ter orgulho do nosso Poder Eleitoral", disse.

 

Segundo a MUD, os opositores tiveram, globalmente, 52% dos votos, enquanto o PSUV obteve os outro 48%. De acordo com o método eleitoral, reformado neste ano por Hugo Chávez para garantir a maioria no Parlamento, fez com que a oposição obtivesse menos cadeiras, ainda que tenha conseguido um resultado vitorioso ao tirar a maioria qualificada - mais de dois terços da casa - do chavismo, o que deve fazer com que o presidente tenha dificuldade em aprovas leis.

 

Segundo o CNE, os resultados finais apontam 98 cadeiras para o PSUV, 65 para a MUD e duas para um partido independente. Antes, o partido chavista tinha mais de 120 assentos.

Tudo o que sabemos sobre:
VenezuelaPSUVMUDChávezeleições

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.