Refugio Ruiz/AP
Refugio Ruiz/AP

Autoridades identificam 113 corpos em sepultura clandestina no México

Túmulo foi encontrado em Jalisco, uma das regiões mais violentas do país

Redação, O Estado de S.Paulo

24 de novembro de 2020 | 18h00

EL SALTO, MÉXICO - Autoridades mexicanas extraíram um total de 113 corpos e outros restos mortais de uma sepultura clandestina localizada no mês passado em El Salto, uma cidade perto de Guadalajara, capital do Estado de Jalisco, no oeste do país.

O procurador de Jalisco, Gerardo Octavio Solís, relatou na noite do último domingo, 22, o resultado do trabalho de exumação no cemitério clandestino, onde também foram encontrados quatro sacos com vestígios de restos humanos e dois crânios.

Até agora, 30 pessoas foram identificadas, 28 homens e duas mulheres, disse o funcionário.

O túmulo foi localizado no início de outubro passado em uma fazenda na subdivisão de Los Sabinos, onde especialistas forenses encontraram inicialmente quatro corpos enterrados, como resultado de trabalhos de inteligência e várias investigações, informou a agência na época.

Durante as sete semanas de trabalho, também foram identificados quatro sacos e dois crânios, que estão sendo analisados ​​por peritos forenses.

Na ocasião, a procuradora dos desaparecidos em Jalisco, Blanca Jacqueline Trujillo, informou que as autoridades também estão trabalhando na escavação de outra sepultura no município de Ixtlahuacán de los Membrillos, onde foram encontrados 25 cadáveres não identificados, um esqueleto, cinco crânios e 14 lotes de segmentos ósseos.

De acordo com um relatório da Comissão Nacional de Busca do Ministério do Interior publicado em outubro, o estado de Jalisco ocupa o primeiro lugar nacional em número de corpos exumados de sepulturas clandestinas, somando 897 vítimas extraídas entre 2006 e setembro de 2020.

É também o Estado com o maior número de desaparecidos e não localizados, com 3.568 casos registrados nos últimos dois anos. Jalisco concentra um em cada quatro desaparecimentos de dezembro de 2018 até hoje.

No início de outubro, o governo mexicano registrou 4.092 sepulturas clandestinas desde 2006, quase a metade em apenas cinco Estados: Veracruz, Tamaulipas, Guerrero, Sinaloa e Zacatecas. Dessas sepulturas, as autoridades exumaram 6.900 corpos, a maioria em Jalisco, Sinaloa, Chihuahua e Guerrero. / AP e EFE

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.