AFP PHOTO / Jose Luis TOLENTINO
AFP PHOTO / Jose Luis TOLENTINO

Autoridades investigam explosões em mercado de fogos de artifício no México

Acidente deixou mais de 30 mortos, 60 feridos e alguns desaparecidos; entre as vítimas há pelo menos oito crianças

O Estado de S. Paulo

21 Dezembro 2016 | 14h47
Atualizado 21 Dezembro 2016 | 18h48

TULTEPEC, MÉXICO - O mercado especializado em fogos de artifício de Tulpetec, o maior do México, amanheceu nesta quarta-feira, 21, coberto de cinzas após a série de explosões que matou 31 pessoas e deixou 60 feridas, enquanto equipes iniciaram os trabalhos de investigação em meio aos destroços.

Vídeos das explosões no mercado San Pablito mostram um turbilhão de pirotecnia explodindo no céu, como foguetes em uma zona de guerra, à medida que a fumaça densa e cinza tomava o local. Essa foi a terceira vez em pouco mais de uma década que explosões ocorreram no popular mercado em Tultepec, que abriga o mercado de fogos de artifício mais conhecido do país.

“Foram reconhecidos até o momento 13 corpos”, declarou o procurador Alejandro Gómez. Ele detalhou que entre os mortos há 14 homens - 7 menores de idade e 7 adultos - e 16 mulheres - uma menor de idade e 15 adultas. Gómez detalhou também que ainda resta analisar os restos mortais pertencentes ao último corpo.

Com relação ao número de feridos, 47 ainda estão hospitalizados. “Temos um saldo de 12 pessoas não localizadas ou desaparecidas que os parentes dizem que provavelmente poderiam ter estado no lugar da explosão”, apontou Gómez. Vários feridos ficaram em grave, entre eles três crianças que tiveram queimaduras em 90% do corpo e serão levadas para um hospital de Galveston, no Texas, Estados Unidos, para receber atendimento em um hospital especializado em queimaduras.

"Ouvimos três explosões e todos corremos. Cada um correu para um lado", disse José Fabián Pérez, testemunha da tragédia e parente de um dos feridos. "Houve a explosão e tudo começou a pegar fogo. Até gente queimando saiu correndo", afirmou Walter Garduño, que estava próximo ao mercado. "Tinha gente correndo em chamas, crianças".

Víctor Hugo Samantes, que tem parentes com barracas no mercado, foi um dos primeiros a chegar ao local, e encontrou a família ilesa. "É incrível porque você está acostumado a ver o movimento, as pessoas trabalhando, e agora não há mais nada", disse Samantes à AFP.

As TVs locais exibiram imagens de uma ampla área devastada rodeada de ambulâncias e carros de bombeiros.

Causas indeterminadas. "Visitem-nos! Abrimos todos os dias do ano. Contamos com todas as medidas de segurança", dizia um grande letreiro na entrada do mercado. 

O governador do Estado, Eruviel Avila, detalha o cenário de destruição. "Tudo foi destruído, foi muito feio e muitos corpos foram jogados por todos os lados, incluindo de muitas crianças. É a pior coisa que já vi em minha vida", disse a dona de casa Angelica Avila, de 24 anos.

A Procuradoria-geral abriu uma investigação e disse em comunicado que seis explosões separadas deram origem à destruição.

O presidente mexicano, Enrique Peña Nieto, pediu a realização de um minuto de silêncio ontem em respeito às vítimas da tragédia em Tultepec. "As vítimas estavam trabalhando por suas famílias, para levar sustento aos seus lares", lamentou Peña Nieto. 

Após expressar solidariedade às vítimas, o presidente afirmou que as autoridades regionais informarão as famílias sobre qualquer novidade com relação às buscas e causas do acidente. "Ficarei atento e acompanhando a atenção que está sendo dada aos pacientes", completou Peña Nieto./ AP, EFE e REUTERS

Mais conteúdo sobre:
México incêndio Fogos de Artifício

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.