Autoridades iranianas acreditam em solução para questão nuclear

O Irã parece disposto a voltar à mesa de negociações para chegar a uma solução para o conflito causado pelo programa nuclear que seu país desenvolve. O porta-voz do Ministério de Exteriores do Irã, Hamid Reza Asefi, afirmou neste domingo que, caso a razão domine as negociações e o direito iraniano não seja violado, pode-se chegar a uma solução. "Contudo, se as conversas transcorrerem em função de objetivos previamente estabelecidos, a situação pode ser diferente", disse Asefi em entrevista coletiva.O porta-voz iraniano acrescentou que seu país não teme possíveis sanções, e afirmou que as ameaças da Casa Branca "não são novidade". "As autoridades americanas gostam de ir contra a opinião pública mundial, gabando-se de seu unilateralismo. O Irã acredita que essas ameaças são irracionais", declarou Asefi. "Os EUA conhecem nossa capacidade. Tomamos suas ameaças como (parte de) uma guerra psicológica", afirmou.O embaixador do Irã na Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), Ali Asghar Soltanieh, também acredita que as negociações poderão ser retomadas. Segundo ele, seu país está preparado para negociar o programa nuclear, mas rejeita a imposição de "condições prévias". "Estamos prontos para voltar à mesa de negociações e acabar com quaisquer ambigüidades sobre nossas atividades nucleares", afirmou Soltanieh. Por outro lado, o embaixador defendeu o direito de seu país de continuar com o processo de enriquecimento de urânio, que afirmou ter fins pacíficos.Negativa de acordoAs declarações de Asefi chegam em um momento em que a comunidade internacional pede a Teerã que renuncie a seu plano de enriquecimento de urânio, apesar de o prazo que a ONU ofereceu para a suspensão ter expirado em 31 de agosto.O presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, recebeu hoje o secretário-geral da ONU, Kofi Annan, e lhe disse que seu país não aceita a suspensão de seu o polêmico programa de enriquecimento de urânio como condição prévia a negociações nucleares.O ministro das Relações Exteriores do Irã, Manouchehr Mottaki, concedeu uma entrevista coletiva conjunta com Kofi Annan após a reunião e explicou que Ahmadinejad deixou claro a Annan que o Teerã acredita que seu direito à energia nuclear é inegociável. "Esclarecemos a ele que nossas atividades nucleares são pacíficas", disse Mottaki."A bola agora está no pé dos EUA e do Reino Unido, e vamos dar o tempo suficiente para que (ambos) se pronunciem sobre nossa resposta", disse Mottaki em referência à refutação do Irã manifestada no último dia 22 sobre o pacote de incentivos oferecido pelos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança (França, Reino Unido, Rússia, China e Estados Unidos) e a Alemanha.Por sua vez, Annan disse que, após ouvir seus interlocutores iranianos, está "otimista". Além disso, acrescentou que agora entende melhor a postura do Irã, a qual pretende levar ao CS. O secretário-geral também frisou que, nestes dois dias de visita, os iranianos lhe transmitiram sua disposição permanente ao diálogo sobre seu programa nuclear.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.