Autoridades iraquianas decidem punir canal de TV

O Conselho de Governo iraquiano - indicado pelos Estados Unidos - ordenou a invasão e o fechamento da sucursal da emissora de televisão Al-Arabiya e do Middle East Broadcasting Centre, depois de o canal ter veiculado uma fita de áudio contendo voz atribuída a Saddam Hussein. O grupo Repórteres Sem Fronteiras denunciou imediatamente a decisão do Conselho de Governo, qualificando a medida como uma violação à liberdade de imprensa. "Tais métodos contrariam as promessas de criação de uma democracia no Iraque", prossegue a instituição, sediada em Paris."Nós emitimos um alerta à Al-Arabiya e vamos cumpri-lo", disse Jalal Talabani, atual presidente do Conselho de Governo iraquiano. "A Al-Arabiya incita ao assassinato, porque está pedindo morte por meio da voz de Saddam Hussein. Incitar ao assassinato ou violência é ilegal perante a lei em qualquer lugar do mundo."Ele disse ainda que a Al-Arabiya seria proibida de trabalhar no Iraque "por algum tempo". Ele não especificou qual seria o período. A emissora tem sua sede em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, e é de propriedade saudita.Cerca de 20 policiais iraquianos invadiram a sucursal da Al-Arabiya no bairro bagdáli de Mansour e listaram os equipamentos que seriam apreendidos se a emissora descumprisse a ordem, disse Ali al-Khatib, correspondente da emissora, em reportagem gravada na capital iraquiana.De acordo com a reportagem, as autoridades iraquianas disseram aos funcionários da emissora que estavam proibidos de transmitir reportagens de qualquer parte do Iraque. Cada violação à ordem acarretará multa de US$ 1.000 e um ano de detenção.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.