Autoridades iraquianas libertam cerca de 500 prisioneiros

Autoridades americanas e iraquianas libertaram 495 detentos de prisões americanas neste sábado. A iniciativa completa a libertação em massa anunciada pelo primeiro-ministro Nouri Al-Maliki no início do mês, como parte dos esforços de reconciliação nacional.O embaixador americano no Iraque Zalmay Khalilzad elogiou a ação e disse que mais prisioneiros deverão ganhar a liberdade."Estamos preparados, depois de consultas com líderes iraquianos, para libertar mais prisioneiros e tomar passos concretos para facilitar a reconciliação", alegou o embaixador por meio de um comunicado.Al-Maliki prometeu libertar 2.500 prisioneiros até o fim do de junho. O Ministério da Justiça afirmou no sábado que a libertação dos 495 prisioneiros cumpriu esta promessa, mas salientou que funcionários do governo continuam estudando casos individuais dos presos, que serão libertados de acordo com seu mérito.O Exército americano não forneceu informações sobre os presos libertados, mas acredita-se que a maioria seja sunita, grupo político que dominava o governo durante a era Saddam Hussein. Reconciliação Sunitas freqüentemente denunciam prisões aleatórias e maus tratos realizados pelo governo liderado pelos xiitas. A libertação dos presos é um passo importante para amenizar a revolta que alimenta a insurgência sunita.Khalilzad também informou que al-Maliki está viajando para a Arábia Saudita, os Emirados Árabes Unidos e o Kuwait neste final de semana para procurar apoio para seus esforços de reconciliação. O embaixador americano pediu que os insurgentes respondam à abertura de al-Maliki entregando suas armas e ajudando na reconstrução do Iraque.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.