Reuters
Reuters

Autoridades que pedirem salvo-conduto para senador opositor serão punidas

Mario Uribe, chefe do Ministério Público da Bolívia disse que tomará medidas legais

estadão.com.br,

25 de julho de 2012 | 17h50

LA PAZ - O chefe do Ministério Público da Bolívia, Mario Uribe, disse nesta quarta-feira, 25, que tomará medidas legais contra autoridades que entrarem com pedido de salvo-conduto para o senador opositor Róger Pinto, asilado desde maio na Embaixada do Brasil em La Paz. O senador diz sofrer perseguição política por parte do governo de Evo Morales.

Veja também:

link Bolívia nega salvo-conduto a senador refugiado na Embaixada brasileira

link Senador completa 50 dias em Embaixada do Brasil em La Paz

"Entendemos que o pedido de salvo-conduto pedido pelo senador terá consequências", disse Uribe, segundo a imprensa boliviana. "O Ministério Público tomará ações legais contra servidores públicos que não colaborem com a luta contra a corrupção."

A posição do Ministério Público coincide com a do governo boliviano. Na terça-feira, a ministra de Comunicações Amanda Dávila disse ao jornal boliviano La Razón que cabe ao senador decidir sobre seu futuro. "Como o Brasil não vai retroceder e a Bolívia seguirá as regras internacionais, a única possibilidade de o senhor Pinto sair da embaixada é por vontade própria para se defender nos tribunais", declarou.

O senador, ex-governador do Departamento (Estado) de Pando, é acusado de corrupção e desacato e responde a 20 processos. Na segunda-feira, ele enviou uma carta à imprensa boliviana na qual acusa o governo de negar-lhe o salvo-conduto para mantê-lo "preso" na embaixada. "Podem me privar da liberdade de movimento, mas não de ser verdadeiramente livre", disse.

Com AFP

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.