Autoridades querem apreender passaporte de viúva de Milosevic

Embora o mandado de prisão contra a viúva de Slobodan Milosevic, Mirjana Markovic, tenha sido cancelado para que ela possa entrar na Sérvia para assistir ao enterro de seu marido, uma corte de Belgrado ordenou que seu passaporte seja apreendido caso ela realmente volte ao país. A medida coloca em dúvida a possibilidade de o funeral do ex-presidente ser realizado em Belgrado, capital da Sérvia e Montenegro. A corte disse que Mirjana Markovic "irá permanecer livre e não será levada sob custódia" caso seus advogados depositem uma fiança de US$ 17 mil como garantia de que ela comparecerá a seu julgamento no dia 23 de março. Mirjana fugiu da Sérvia em fevereiro de 2003 quando respondia a um processo sobre suspeitas de corrupção em fundos estatais de habitação, e desde então vive na Rússia. O primeiro-ministro sérvio, Vojislav Kostunica, disse à agência de notícias Beta que a suspensão do mandado de prisão permite que o funeral de Milosevic seja feito em Belgrado. Mirjana disse que ela retornaria para Sérvia somente se o mandado fosse suspenso. Ela indicou, em entrevistas recentes, que pretende voltar à Rússia após o funeral, mas com seu passaporte confiscado em Belgrado isso não será possível. O vice-presidente do partido Socialista Sérvio, do qual Milosevic era líder, Milorad Vucelic, disse à agência Beta que ele conversou com Markovic em Moscou após a decisão da corte, e que "em poucas horas" ela irá decidir onde o ex-presidente da antiga Iugoslávia será enterrado. Outra autoridade Socialista, Milutin Mrkonjic, disse que mesmo com a interdição do mandado, "as condições não favorecem um funeral em Belgrado, portanto, o enterro será realizado em Moscou".

Agencia Estado,

14 Março 2006 | 17h55

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.