Ren-TV television channel/Handout via REUTERS
Ren-TV television channel/Handout via REUTERS

Autoridades russas buscam possível cúmplice de ataque na Crimeia

Líder regional afirma que atirador agiu sozinho na escola, mas deve ter tido ajuda de outra pessoa para planejar o crime; atentado deixou pelo menos 20 mortos e mais de 50 feridos  

O Estado de S.Paulo

18 de outubro de 2018 | 17h17
Atualizado 19 de outubro de 2018 | 12h58

MOSCOU - Autoridades russas estão procurando um possível cúmplice do ataque a uma escola que deixou pelo menos 20 mortos e mais de 50 feridos na Península da Crimeia nesta quarta-feira,17.  A suspeita é de que o estudante apontado como autor dos disparos tenha contado com a ajuda de outra pessoa para planejar o crime.

O atirador, identificado como Vyacheslav Roslyakov, de 18 anos, chegou ao colégio com um fuzil, entrou de sala em sala disparando e cometeu suicídio em seguida. Até então, ele era o único suspeito do crime, mas, nesta quinta-feira, o líder regional Sergei Aksyonov falou à imprensa russa sobre a possibilidade de que haja um segundo envolvido por trás do atentado.

“O objetivo é descobrir quem estava treinando-o para esse crime", afirma Aksyonov. De acordo com o líder na Crimeia, o estudante agiu por conta própria na escola, mas, na opinião dele e de outras autoridades, “não pode ter preparado esse crime sozinho”.

Um vídeo divulgado pela mídia russa mostra o momento em que Roslyakov foi flagrado pelo circuito interno de um loja comprando cartuchos. As imagens foram registradas há quatro dias, quando ele teria comprado 150 munições.  

Esse foi considerado o ataque mais mortífero realizado por um estudante na Rússia. O caso foi definido pelo presidente Vladimir Putin como um “resultado da globalização”. Ele comparou o ataque em Kerch com os atentados em escolas dos Estados Unidos e disse também que o fato de adolescentes pegarem armas de fogo e saírem atirando representa uma falha dos adultos em oferecer alternativas à violência.

"Pessoas jovens com estado de fragilidade mental estão criando falsos heróis para eles mesmos", disse. Para o presidente, isso demonstra que “todos nós, não só na Rússia, mas no mundo inteiro, estamos reagindo mal às rápidas mudanças na realidade”.

A avó do suspeito, Taisiya Roslyakova, afirmou ao jornal Komsomolskaya Pravda que seu neto não tinha muitos amigos, passava todo tempo livre isolado, jogando no computador, mas, por outro lado, sempre ajudava nas tarefas domésticas.

Dezenas de vítimas do atentado ainda estão internadas em Kerch. Pelo menos outras dez, que tiveram ferimentos mais graves, foram transferidas para realização de cirurgias, segundo informações da Ministra da Saúde Veronika Skvortsova. / AP

 

Tudo o que sabemos sobre:
Crimeiaataque a tiros

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.