Autoridades sabiam sobre poluente derramado nos EUA

A empresa responsável pelo derramamento de um produto químico poluente no sistema de abastecimento de água do Estado de Virgínia Ocidental, nos EUA, havia informado autoridades no ano passado de que estava armazenando 10 produtos químicos de uso industrial, de acordo com um documento divulgado no sábado.

AE, Agência Estado

12 de janeiro de 2014 | 19h09

Em fevereiro de 2013, a Freedom Industries informou que estava armazenando entre 45 e 453 toneladas de metanol 4-metilcicloexano, conhecido como MCMH. O produto pode representar sério risco à saúde, segundo o documento.

Autoridades disseram no sábado que aproximadamente 28 mil litros do produto foram derramados no rio Elk e chegaram a uma estação de tratamento próxima ao local, deixando 300 mil pessoas sem água na capital, Charleston, e em nove condados.

Empresas que armazenam produtos químicos perigosos em suas propriedades são obrigadas a entregar todo ano uma lista a autoridades de emergência locais e estaduais. O documento foi entregue pela companhia à divisão de Segurança Interna e Gestão de Emergências do Estado, de acordo com um porta-voz da agência.

Ainda não se sabe, no entanto, como a informação foi utilizada ou se a empresa responsável pela estação de tratamento de água sabia da existência do documento. A West Virginia American Water disse que foi pega de surpresa quando o MCHM apareceu na água na quinta-feira. "Este é um produto químico com o qual não estamos familiarizados", disse uma porta-voz da empresa, Laura Jordan.

O MCHM pode irritar a pele e os olhos e causar problemas de respiração, de acordo com o Centro de Controle e Prevenção de Doenças. É um dos milhares de produtos químicos cujos efeitos para a saúde humana ainda não foram testados.

Jeff McIntyre, presidente da West Virginia American Water, disse que o abastecimento não poderá ser retomado até que as amostras de água apresentem, de forma consistente, menos de uma parte de MCHM por milhão. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
EUADERRAMAMENTOQUÍMICO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.