Autoridades se reúnem com grupo islâmico na Somália

Membros do grupo radical islâmico que controla a capital da Somália se encontraram nesta quinta-feira com autoridades árabes, africanas e européias. Eles repetiram que se opõem à chegada de tropas internacionais de paz para estabilizar o país."Acreditamos que forças estrangeiras são desnecessárias e contra produtivas. O problema na Somália é político e não pode ser resolvido por meios militares", disseram líderes do Conselho Supremo Islâmico nesta quinta-feira.Uma delegação de 21 pessoas da União Africana, Liga Árabe e União Européia esteve na Somália para verificar as condições de segurança no país diante da possibilidade de um possível envio de forças de paz.A força teria como objetivo dar apoio ao fraco governo interino do país, legitimado pelas Nações Unidas, e ajudar a desarmar pelo menos 55 mil combatentes rebeldes, além de formar um exército nacional. O governo interino quer a presença das forças internacionais.O Conselho Supremo Islâmico tomou Mogadiscio no mês passado e já expandiu seu controle para boa parte do sul do país, enquanto o governo oficial atualmente controla apenas uma cidade, Baidoa, a 250 quilômetros de Mogadiscio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.