Autoridades temem achar mais mortos no túnel suíço

As autoridades suíças estimam em 128 o número de pessoas "eventualmente desaparecidas" em conseqüência do choque de caminhões de quarta-feira no túnel de São Gotardo, nos Alpes. "Isso significa que o total de mortos pode ir além dos 11 registrados oficialmente", disse o diretor do serviços de transportes, Michel Egger. Hoje, passadas 24 horas, as equipes de socorro não tinham ainda alcançado o local exato do acidente. Com o choque, os veículos pegaram fogo e explodiram. Um deles levava um carregamento de pneus. Houve desmoronamento de parte do teto do túnel que, além disso, ficou impregnado de grossa e tóxica fumaça preta. "O calor é intenso", disse um bombeiro. "Mas amanhã chegaremos lá, com o uso de jatos d´água e potentes ventiladores." Segundo o diretor do serviço de transportes, a polícia atendeu a 128 chamados de pessoas procurando por parentes que teriam cruzado o túnel no momento do acidente. "Não podemos dizer com absoluta certeza que todos estão desaparecidos ou sucumbiram naquele inferno", acrescentou o funcionário. "Há uma grande probabilidade de que tenham escapado." Entre os 11 corpos resgatados, estão os de 4 alemães, um suíço, um italiano e um cidadão de Luxemburgo. As equipes de socorro conseguiram revistar 100 veículos no interior do São Gotardo, incluindo 15 caminhões - a grande maioria com licenças da Alemanha, Itália e Suíça. O túnel não será reaberto tão cedo. Circulavam por ele mais de 18 mil veículos diariamente. Hoje, havia um grande congestionamento na região e as autoridades buscavam caminhos alternativos pelos Alpes.

Agencia Estado,

25 Outubro 2001 | 19h34

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.