REUTERS/Ricardo Arduengo
REUTERS/Ricardo Arduengo

Autoridades temem que presidente do Haiti tenha sido assassinado por combate ao tráfico

Jovenel Moïse preparava dossiê com lista de poderosos políticos e empresários envolvidos em atividades criminosas com objetivo de entregá-la aos EUA

Maria Abi-Habib, The New York Times, O Estado de S.Paulo

12 de dezembro de 2021 | 16h05

PORTO PRÍNCIPE, Haiti - O presidente Jovenel Moïse, do Haiti, estava prestes a dar nomes aos bois.

Antes de ser assassinado, em julho, ele vinha trabalhando em uma lista de poderosos políticos e empresários envolvidos no tráfico de drogas no Haiti, um dossiê que seria entregue aos Estados Unidos, afirmaram ao The New York Times quatro altos assessores haitianos e autoridades encarregadas de redigir o documento.

O presidente ordenou que as autoridades não poupassem ninguém, nem mesmo os poderosos que ajudaram a colocá-lo no cargo, disseram eles. Essa decisão, entre outras, poderia ser um dos motivos do assassinato, acreditam. 

Quando homens armados invadiram a residência de Moïse e o mataram em seu quarto, sua esposa, Martine Moïse -- que também foi baleada e estava sangrando no chão, fingindo estar morta -- percebeu que eles vasculharam o quarto em busca de arquivos.

“É isso”, eles finalmente declararam um ao outro antes de fugir, disse ela ao The New York Times em sua primeira entrevista após o assassinato, acrescentando que não sabia o que os atiradores haviam levado.

Os investigadores chegaram à cena do crime e encontraram o escritório residencial de Jovenel Moïse saqueado, com papéis espalhados por toda parte. Nos interrogatórios, alguns dos pistoleiros capturados confessaram que recuperar a lista em que Moïse vinha trabalhando -- com os nomes de supostos traficantes de drogas -- era uma das principais prioridades, segundo três autoridades haitianas com conhecimento da investigação.

O documento fazia parte de uma série mais ampla de confrontos que Moïse travou com poderosas figuras políticas e empresariais, algumas delas suspeitas de envolvimento com narcóticos e tráfico de armas. Moïse conhecia vários deles há anos, e eles se sentiram traídos por sua atitude, dizem seus assessores.

Nos meses que antecederam sua morte, Moïse tomou medidas para limpar a alfândega do Haiti, nacionalizar um porto com histórico de contrabando, destruir uma pista de pouso usada por traficantes de drogas e investigar o lucrativo comércio de enguias, que foi recentemente identificado como um canal de lavagem de dinheiro.

O Times entrevistou mais de 70 pessoas e viajou a oito dos dez departamentos, ou Estados, do Haiti, para entrevistar políticos, amigos de infância de Moïse, policiais, pescadores e pessoas envolvidas no tráfico de drogas para entender o que aconteceu nos últimos sete meses de vida do presidente e como isso pode ter contribuído para sua morte. Muitos deles agora também temem por suas vidas.

“Eu seria um tolo se pensasse que o narcotráfico e o tráfico de armas não tiveram um papel no assassinato”, disse Daniel Foote, que serviu como enviado especial dos EUA ao Haiti antes de deixar o cargo no mês passado.

Uma figura central na lista de Moïse era Charles Saint-Rémy, conhecido como Kiko, disseram duas das autoridades haitianas encarregadas de ajudar a redigir o dossiê. Saint-Rémy, um empresário haitiano, há muito é suspeito, para a Agência Antidrogas dos EUA, de envolvimento no comércio de substâncias ilícitas. Notavelmente, ele também é cunhado do ex-presidente Michel Martelly, que tirou Moïse da obscuridade política e o escolheu para ser seu sucessor.

Martelly, que está considerando outra candidatura à presidência, e Saint-Rémy foram extremamente influentes no governo de Moïse, com voz ativa em tudo, desde a distribuição de contratos públicos até a nomeação de ministros, segundo autoridades haitianas dentro e fora de sua administração. Mas Moïse passou a sentir que eles e outros oligarcas estavam sufocando sua presidência, dizem seus assessores. Martelly e Saint-Rémy não responderam a pedidos de comentário.

A investigação sobre o assassinato de Moïse estagnou, dizem as autoridades americanas, e muitos haitianos temem que uma não resolução do crime aumente o sentimento de impunidade no país, encorajando ainda mais as redes criminosas que capturaram o Estado.

‘O verdadeiro líder não era o presidente’

Quando Moïse foi escolhido por Martelly em 2014 para ser seu sucessor, Martelly apresentou a nação a um suposto forasteiro de origem camponesa, um homem do campo que saiu da pobreza administrando plantações de banana.

Os associados de Martelly disseram que ele conheceu Moïse durante uma conferência e ficou impressionado com a perspicácia empresarial do ex-presidente.

Mas a história era enganosa: Moïse havia crescido principalmente na capital, vários dos membros do conselho original de sua plantação de banana dizem que o negócio foi um fracasso e Moïse já era um amigo próximo de Saint-Rémy e de pelo menos mais um suspeito de tráfico de drogas.

Moïse, que tinha 53 anos na época de seu assassinato, nasceu em Trou-du-Nord, uma cidade agrícola que sofreu de negligência do governo durante décadas.

Quando Moïse tinha 7 anos, sua mãe o mudou com seus irmãos para o Carrefour, uma favela de Porto Príncipe. Na universidade, Moïse conheceu sua esposa, e eles se mudaram juntos para Port-de-Paix, no noroeste.

Em 2000, Moïse conheceu e se tornou parceiro de negócios de Evinx Daniel, de acordo com parentes e conhecidos dos dois homens. Daniel, um amigo próximo de Martelly, mais tarde seria acusado de tráfico de drogas.

Moïse trabalhou com Daniel em um de seus empreendimentos, a Mariella Food Products, que produzia biscoitos. Um ex-policial haitiano de alto escalão disse que a empresa era suspeita de ser uma frente de lavagem de dinheiro.

Saint-Rémy admitiu publicamente que vendia drogas no passado, mas afirma que todos os seus negócios agora são legítimos. Policiais haitianos e ex-oficiais da DEA que serviram recentemente no Haiti dizem que ele ainda é considerado um dos maiores traficantes de drogas do país.

Jacques Jean Kinan, primo de Moïse, disse que ele e Moïse trabalharam com Saint-Rémy na indústria de enguias.

Com seu cunhado como presidente, Saint-Rémy exerceu enorme influência, muitas vezes exigindo que licenças de escolha e contratos fossem concedidos a ele, especialmente licenças de exportação de enguia, de acordo com funcionários do governo de Martelly.

Quando suas demandas não eram atendidas, ele poderia se tornar violento: em 2015, Saint-Rémy agrediu um ministro da Agricultura por assinar um contrato sem seu consentimento, uma altercação relatada na época e confirmada por um ex-ministro do governo.

À medida que o controle de Saint-Rémy sobre o comércio de enguias se solidificava, Moïse decidiu sair do setor e se concentrar em Agritrans, uma plantação de banana perto de sua cidade natal.

Impedido pela constituição de concorrer por dois mandatos consecutivos, Martelly começou a procurar um sucessor. Ele queria encontrar alguém que o aquecesse até que pudesse lançar outra candidatura presidencial e se proteger de acusações de corrupção envolvendo a apropriação indébita de bilhões de dólares durante seu mandato, de acordo com ex-funcionários dos governos Martelly e Moïse.

Ele escolheu Moïse, divulgando-o como um empresário de sucesso e apelidando-o de “Homem da Banana” na campanha.

Em entrevistas, três dos membros originais do conselho da Agritrans descreveram o empreendimento como um fracasso, com seus investimentos originais perdidos e pouco mais que um campo árido para mostrar.

Mas enquanto Martelly pensava em um sucessor, a empresa recebeu um empréstimo de US$ 6 milhões do governo.

Quando ganhou e assumiu a presidência em 2017, Moïse se sentiu sufocado por Martelly, mas permaneceu fiel a ele, disseram seus assessores.

“O verdadeiro líder não era o presidente”, disse Gabriel Fortuné, um conselheiro próximo de Moïse que morreu em um terremoto um dia depois de falar com o Times. “Era o padrinho dele, Martelly. Quando falamos sobre o padrinho, estamos falando sobre o jeito italiano”, acrescentou,“ a família ”.

‘Eles vão me matar’

Quando Moïse se estabeleceu no cargo, ele logo percebeu que o controle fulminante que Martelly e sua família exerceram na campanha se estendia à sua segurança pessoal, disseram várias autoridades.

Moïse herdou Dimitri Hérard, um membro fundamental da força de segurança presidencial de Martelly que se tornou o chefe da unidade policial que protegia o palácio presidencial de Moïse.

Hérard também era suspeito de tráfico de drogas. Em 2015, quando um navio de carga com bandeira do Panamá atracou em Porto Príncipe com 1.100 quilos de cocaína e heroína a bordo, Hérard foi visto comandando policiais uniformizados para carregar as drogas em veículos antes de partir em alta velocidade com eles, segundo uma testemunha e Keith McNichols, um ex-agente da DEA alocado no Haiti que liderou a investigação da agência sobre o carregamento de drogas desaparecido.

Moïse desconfiava profundamente de Hérard, de acordo com vários conselheiros presidenciais e um diplomata internacional a quem o presidente confidenciou.

Hérard, agora detido como suspeito do assassinato, não foi localizado para comentar.

Em janeiro, Hérard encomendou cerca de 260 armas da Turquia -- incluindo carabinas M4 e revólveres -- entregando o pedido ao palácio presidencial, Fortuné e um ex-oficial de segurança disseram. Hérard vendeu a maior parte das armas para gangues e empresas.

O relacionamento de Moïse com as forças de segurança presidencial, já em risco, azedou ainda mais. Mas isso mudou em fevereiro, quando Hérard afirmou ter frustrado uma tentativa de golpe contra Moïse.

Após o susto do golpe, Moïse partiu para a ofensiva, atacando publicamente os oligarcas e a elite política do Haiti por tentarem matá-lo, incluindo em uma de suas últimas entrevistas com o Times antes de sua morte.

Nos bastidores, dizem as autoridades haitianas, Moïse começou a trabalhar para derrubar seus supostos inimigos.

Em fevereiro, Josua Alusma, prefeito de Port-du-Paix e um aliado próximo de Moïse, ordenou uma repressão ao comércio de enguias, a indústria dominada por Saint-Rémy.

No mesmo mês, o presidente também começou a discutir planos para nacionalizar um porto de propriedade de aliados de Martelly, onde vários carregamentos de armas ilegais foram encontrados e apreendidos ao longo dos anos, disseram duas autoridades haitianas.

“Jovenel me disse que tinha uma agenda que queria implementar, mas não conseguiu porque, disse ele, 'eles vão me matar'”, contou um político poderoso que serviu como assessor informal de Moïse, falando sob condição de anonimato. O porto, disse ele, “fazia parte do plano”.

Moïse também tentou pressionar a alfândega, apesar da resistência considerável, para começar a inspecionar as remessas de Saint-Rémy e cobrar impostos sobre suas mercadorias, de acordo com vários assessores presidenciais, dois altos funcionários de segurança e um funcionário do departamento de alfândega.

As rotas do tráfico de drogas no norte do Haiti também sofreram pressão. Na década de 1990, pequenos aviões Cessna da Colômbia pousavam em pistas de terra nos arredores de Porto Príncipe. Mas, com o aumento da população, as pistas de pouso foram cercadas por favelas. Moradores pobres perceberam a valiosa carga ilícita que os aviões guardavam e começaram a atacá-los, de acordo com um oficial de segurança.

Então, há cerca de uma década, os traficantes mudaram as pistas de pouso para o norte, para Savane Diane, uma área extensa e isolada. Desde então, o comércio de drogas evoluiu e cresceu vertiginosamente.

Os assessores de Moïse disseram que ele tomou conhecimento da pista de pouso após um telefonema furioso da DEA.

Entre maio e junho, a pista de pouso em Savane Diane e outra no norte do Haiti receberam uma quantidade excessiva de tráfego, com pelo menos uma dúzia de aviões passando, potencialmente carregando milhares de quilos de cocaína, disseram autoridades de segurança haitianas.

Quando Moïse soube das entregas em meados de junho, ficou furioso, disseram seus assessores. Então veio uma ordem do palácio presidencial: Destrua a pista de pouso.

Mas as autoridades locais se recusaram a fazê-lo, de acordo com várias autoridades entrevistadas.

Cerca de uma semana depois, Moïse estava em casa com sua esposa e dois filhos quando pistoleiros invadiram sua casa. Eles haviam sido admitidos no complexo presidencial pelas forças de Hérard.

Nem um único tiro foi disparado entre os assassinos e os guardas de Moïse. Enquanto os homens armados invadiam a residência, o presidente chamou Hérard e outro oficial de segurança para resgatá-lo, disse sua viúva ao Times. Nenhuma ajuda veio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.