AFP PHOTO / BULENT KILIC
AFP PHOTO / BULENT KILIC

Autoridades turcas proíbem protesto por vítimas de atentados

Governo justificou ação dizendo que o país passa por um ‘momento sensível’

O Estado de S. Paulo

13 Outubro 2015 | 09h38

ANCARA - Autoridades turcas baniram nesta terça-feira, 13, uma marcha promovida por sindicalistas e ativistas que perderam amigos e colegas no ataque terrorista mais sangrento da Turquia. Centenas de pessoas se reuniram para protestar.

Dois bombardeios suicidas no sábado ocorreram em meio a uma incerteza política no país e semanas antes das eleições turcas. Os ataques aumentam os temores de que a Turquia, candidata a integrar a União Europeia, possa estar iniciando um período de instabilidade.

A agência de notícias Dogan divulgou hoje imagens que mostram um policial empurrando um grupo de manifestantes que tentavam chegar à marcha para lamentar as 97 vítimas dos dois ataques.

Um policial à paisana empurrou pelo menos dois manifestantes para o chão e os deteve. “Nossos irmãos foram mortos! O que vocês estão fazendo?”, gritava uma delas. O governo de Istambul proibiu o protesto dizendo que este é um “momento sensível”.

O primeiro-ministro turco, Ahmet Davutoglu, disse que o grupo terrorista Estado Islâmico era o principal suspeito da investigação. Autoridades afirmaram que os ataques de sábado foram semelhantes ao atentado suicida que matou 33 ativistas em uma cidade próxima à fronteira com a Síria em julho. /ASSOCIATED PRESS

Mais conteúdo sobre:
Turquia protesto atentado

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.