Avalanches matam na Europa

Duas avalanches neste domingo, no norte da Itália causaram dois mortos e seis feridos, informaram os serviços de socorro italianos. A primeira ocorreu em Vezza d´Oglio, a cerca de 100 km de Brescia, no norte do país. Quatro alpinistas que escalavam uma encosta de gelo foram atingidos pela neve. Apesar de uma intervenção rápida dos socorros, um deles, gravemente ferido, morreu pouco depois. A segunda avalanche ocorreu perto de Morgex, no vale de Aoste (noroeste). Um esquiador morreu e outros três ficaram feridos, todos eles originários da região de Piemonte.Ainda na Itália, as ligações marítimas com o arquipélago das Ilhas Eólicas, no norte da Sicília, foram suspensas devido a mares agitados e ventos fortes, informaram as autoridades marítimas. Na ilha de Lipari, a mais importante do arquipélago, os habitantes encontram-se isolados. Muitas dessas pessoas foram evacuadas de Stromboli.Na Romênia, uma avalanche também tirou a vida de um turista, e continuam desaparecidos nos montes Cárpatos outros três que faziam parte do mesmo grupo.Na Alemanha, várias cidades das regiões sul e oriental sofrem ainda com as inundações que flagelam o país desde meados da semana. A situação era particularmente tensa em várias regiões da ex-República Democrática Alemã (ex-RDA), já afetada no último verão europeu por inundações sem precedentes.O nível máximo de alerta foi decretado no sábado à noite, ao longo da Saale e seus arredores, informou o ministério do Interior do Estado Regional de Saxe-Anhalt. Em Saxe, região devastada pelas inundações em agosto de 2002, o alarme também foi lançado, mas a situação parece sob controle.O rio Elba, em Dresden, deverá atingir um máximo de 6,65 m, um nível menos elevado do que era inicialmente previsto. A cidade de Wertheim, ao sul, continua alagada. O nível do rio Main chegou a 5,50 m, menos 50 cm do que na véspera. Um total de 43 mil pessoas foram mobilizadas desde sexta-feira na Alemanha para ajudar nos socorros, segundo dados fornecidos pelos bombeiros.Em Portugal, a frente fria que se temia que causasse grandes precipitações já passou e encontra-se agora sobre a Galiza. Assim, são escassos os riscos de inundação agora.Na Rússia, pelo menos 40 mil pessoas estão sem aquecimento ou sem energia elétrica devido a avarias causadas por temporais, informou hoje o Ministério das Situações de Emergência russo. Segundo um porta-voz da instituição, desde o dia 1º foram registrados 135 problemas nas redes, sistemas e centrais elétricas e 240 interrupções nos sistemas de aquecimento em pelo menos 19 regiões do país.A situação mais crítica registrou-se na cidade de Verjni Ufalei, nos Urais, onde 10 mil habitantes estão há três dias sem eletricidade devido a um problema na central térmica local. O mesmo se passa em Roshchiski, Krasnaya, Barishevo e Sverdlova, todas elas também nos Urais, onde milhares de habitantes enfrentam os mesmos problemas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.