EFE/Cabalar
EFE/Cabalar

Avenida de Miami vai ganhar nome do ex-presidente Uribe

Proposta provocou alvoroço entre a comunidade de imigrantes colombianos, já ele é investigado por fraude e por pressionar testemunha

Redação, O Estado de S.Paulo

08 de outubro de 2020 | 03h00

MIAMI, EUA - Investigado na Colômbia, mas com cartaz nos EUA. Autoridades do Condado de Miami-Dade, na Flórida, aprovaram uma homenagem ao ex-presidente colombiano Álvaro Uribe dando o nome dele a uma parte da Southwest 117th Avenue. 

Em razão de seus problemas com a Justiça, a proposta provocou um alvoroço na comunidade de imigrantes colombianos quando foi apresentada, há um mês, em uma movimentação pouco comum em votações para nomear ruas. 

Grupos favoráveis e contrários à proposta se organizaram. Um deles, chamado “Colombianos Honestos”, iniciou uma petição online contra e recolheu 25 mil assinaturas. Mas a outra parte da colônia colombiana apoiou a iniciativa. “Estamos muito felizes e animados. Ele é um grande homem”, disse Fabio Andrade.

Uribe, porém, pode não ver seu nome na avenida, caso seja condenado. “Juro para vocês que esse nome não estará lá se houver algum problema”, disse o comissário Javier Souto – espécie de vereador –, patrocinador da legislação. “Se esse homem é santo ou não, eu não sei. Se você não é um bom cidadão, não acho que seria tão amado em seu país e fora da Colômbia.”

Pela lei aprovada, Uribe, que está sendo investigado por fraude e por tentar pressionar testemunhas a negar o suposto envolvimento dele com organizações paramilitares na Colômbia, deve dar nome a 16 quarteirões da 17th Avenue. 

O ex-presidente colombiano estava em prisão domiciliar quando a proposta foi apresentada para votação pela primeira vez. Nesta quarta-feira, dois comissários de Miami-Dade votaram contra o projeto. Eles defendiam que era preciso Uribe ser inocentado antes. “A comunidade parece muito dividida sobre isso”, afirmou Eileen Higgins, uma das que votou contra a medida. / AP e REUTERS 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.