Aviação de Israel mata sete membros de uma mesma família

Nove civis libaneses, sendo sete membros de uma família, entre eles duas crianças, foram mortos na manhã desta terça-feira (horário local) no bombardeio da aviação de Israel à cidade de Nabatiyé, no sul do Líbano, segundo fontes policiais. A casa onde estavam as vítimas foi totalmente destruída.O grupo de defesa de direitos humanos, Human Rights Watch, sediado em Nova York, divulgou afirma que que Israel usou bombas de fragmentação em áreas civis durante a sua ofensiva no Líbano.Segundo a organização, um ataque de artilharia com munições de fragmentação em um vilarejo na semana passada matou uma pessoa e deixou 12 feridas, inclusive sete crianças.O diretor executivo do grupo, Kenneth Roth, alega que tais armas não devem ser usadas em áreas povoadas. O Exército israelense afirmou que o uso de munições de fragmentação não contraria leis internacionais e que está investigando o incidente. Críticos deste tipo de armamento destacam que elas deixam para trás um grande número de pequenas bombas sem explodirem, que costumam matar crianças muito tempo depois de disparadas. A munição supostamente usada por israelenses no Líbano têm uma margem de erro de uma em sete, que o Human Rights Watch considera alto demais.Bint JbeilNo 14º dia de ofensiva, milhares de soldados do Exército de Israel praticamente controlam a localidade estratégica de Bint Jbeil, no sul do Líbano, indicou nesta terça-feira uma fonte do comando militar israelense. Bint Jbeil, reduto da milícia islâmica do Hezbollah, é definida como a "capital dos xiitas". No local, segundo fontes militares, estavam entrincheirados cerca de 150 milicianos do Hezbollah. "Nosso objetivo em Bint Jbeil é destruir a infra-estrutura do Hezbollah e liquidar os terroristas desta oganização, para terminar com os disparos (de foguetes) contra o norte de Israel", acrescentou a fonte. Por sua vez, o ministro do Interior do Líbano, Ahmed Fatfat, desmentiu que o Exército israelense tenha tomado o controle de Bint Jbeil. "Os combates continuam", afirmou. O povoado tem mais de 20 mil habitantes e é considerado um reduto da milícia. A maioria da população é xiita. Devido aos bombardeios, a cidade não tem mais eletricidade e, em muitos casos, falta água corrente. Segundo fontes locais, "as condições estão ficando insuportáveis", agravadas pelo forte calor dos últimos dias. As forças israelenses estão entrando lentamente na localidade, abandonada pelos civis, para evitar baixas entre os soldados. Os milicianos estão bem armados e possuem foguetes antitanque. Segundo a fonte, as tropas israelenses deixaram aberta uma passagem para que civis abandonem e local e se dirijam ao norte do país ou a Beirute.A Força Aérea israelense atacou durante madrugada 33 alvos, supostamente relacionados com o Hezbollah (Partido de Deus) em território libanês.A noite (horário local) foi de calma para a população civil no norte de Israel. Fontes policiais informaram que os milicianos islâmicos libaneses, que mataram na segunda-feira dois soldados israelenses e feriram outros 14, não dispararam seus foguetes nesta madrugada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.