Aviação de Israel prossegue ataques contra o Líbano

Aviões de combate israelenses bombardearam durante a noite de sexta-feira (horário local) diversos pontos do norte a sul do Líbano, inclusive o Vale do Bekaa e a capital, Beirute. Pelo menos 12 pessoas morreram e outras oito ficaram feridas em um bombardeio contra a ponte de Haiza, na região de Akar, no norte do Líbano, perto da fronteira com a Síria. Na capital, os caças-bombardeiros atacaram especialmente os bairros da zona sul, reduto do grupo xiita libanês Hezbollah. A partir das 5 horas (23 horas de quinta-feira, em Brasília), as explosões abalaram o centro e o norte de Beirute, além dos bairros de Daji e Shiaj, na entrada sul. Na quinta-feira, a aviação israelense espalhou pânico na cidade ao lançar milhares de panfletos, alertando a população, especialmente a do sul, para que abandonassem suas casas porque seriamBombardeadas. O aviso se dirigia especificamente aos habitantes dos bairros de Daji, Burj al-Barajna e Shiaj, próximos ao aeroporto internacional de Beirute, destruído logo no início do conflito. Em quase 30 dias de hostilidades, Beirute tem sido bombardeada quase diariamente por Israel, que destruiu centenas de edifícios. Ainda assim, grande parte da população continua vivendo entre os escombros nos bairros do sul. Cessar-fogo humanitárioDiante do impasse criado pela rejeição libanesa de uma nova proposta que ponha um fim nas hostilidades entre Israel e a guerrilha xiita Hezbollah, a Rússia distribuiu na quinta-feira aos membros do Conselho de Segurança da ONU um rascunho de resolução que propõe um cessar-fogo humanitário de 72 horas na região. Segundo a diplomacia russa, a crise estava alcançando proporções "catastróficas" e a situação é urgente demais para que se espere mais tempo por uma medida separada desenvolvida pelos Estados Unidos e França.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.