Aviação francesa começa a atacar forças de Kadafi na Líbia

Primeiro tanque foi destruído às 13h45 ; 20 caças patrulham área de 15 mil km² em torno de Benghazi

estadão.com.br,

19 de março de 2011 | 13h59

inistério da Defesa francês informou neste sábado, 19, que caças Rafale e Mirage da Força Aérea realizaram quatro ataques contra tanques e veículos militares das forças do ditador líbio Muamar Kadafi. Segundo a Al-Jazira, quatro tanques teriam sido destruídos, mas o governo francês não precisou este número oficialmente.

 

O  primeiro disparo contra um veículo militar na Líbia foi dado no começo da tarde. O presidente Nicolas Sarkozy anunciou que uma coalizão de países europeus, norte-americanos e árabes deu início à intervenção militar no país para implementar a resolução 1973 do Conselho de Segurança das Nações Unidas.

 

Veja também:

especialTwitter: Acompanhe os relatos de Lourival Sant'anna

especialLinha do Tempo: 40 anos de ditadura na Líbia

blog Arquivo: Kadafi nas páginas do Estado

especialInfográfico:  A revolta que abalou o Oriente Médio

 

"O primeiro alvo foi identificado e destruído às 16h45 GMT (13h45 em Brasília)", disse o porta-voz do ministério da Defesa da França Laurent Teisseire. A operação envolve 20 caças em uma área de 100 km por 150 km em torno da capital rebelde, Benghazi. 

 

O governo francês confirmou o ataque a mais 'alguns' tanques e veículos armados, sem precisar o número. De acordo com a rede de TV Al-Jazira, no entanto, seriam quatro os veículos abatidos.

 

Ainda de acordo com o Teisseire, o porta-aviões Charles de Gaulle irá para a Líbia no domingo. O comando central da operação ainda está sendo montado.

Jatos franceses e italianos já haviam começado a sobrevoar o território líbio em missões de reconhecimento desde o final da manhã (horário de Brasília). 

Caças enviados pelo Canadá já estão a caminho do norte da África.  A missão está sendo liderada por França e Reino Unido e conta com a participação de EUA, Catar e outros países europeus. 

"Nossos aviões já estão impedindo ataques aéreos em Benghazi. É hora da França, ao lado de seus aliados, assumir sua responsabilidade perante a História", disse Sarkozy ao anunciar a intervenção. 

O presidente acusou Kadafi de desdenhar os ultimatos internacionais e prometeu agir para conter o que chamou de 'loucura assassina' na Líbia. "Nosso dever é apoiar os povos árabes. Nossa determinação é total".

O premiê italiano, Silvio Berlusconi, ofereceu a base da Otan em Nápoles como centro de comando da operação contra o ditador Líbio.

Leia ainda:

link Forças de Kadafi desrespeitam cessar-fogo e bombardeiam Benghazi

linkChávez chama de 'irresponsabilidade' intervenção militar na Líbia

linkCoalizão está pronta para agir contra Kadafi, diz Obama no Brasil

 

 

 

 

Com AP e Reuters

Tudo o que sabemos sobre:
Libia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.