Aviação israelense bombardeia bairros do sul de Beirute

A aviação israelense bombardeia sem interrupção desde a meia-noite os bairros do sul de Beirute, nos ataques mais fortes contra a capital libanesa desde o início da ofensiva militar de Israel contra o Líbano, que hoje entra em seu quinto dia, informam emissoras de televisão locais.Segundo a emissora Al-Manar, ligada ao Hisbolá, aviões israelenses lançaram dezenas de mísseis contra diversos bairros de Beirute.Os bombardeios estenderam-se até a localidade de Yieh, cerca de 18 quilômetros ao sul de Beirute, e à cidade de Baalbeck, no leste do Líbano.A aviação israelense atingiu uma usina elétrica aproximadamente 20 quilômetros ao norte da capital, além de atingir a sede da Al-Manar.Pouco antes, o Exército israelense bombardeou uma ponte que une uma entrada da capital libanesa ao aeroporto da cidade, uma região considerada um reduto do Hezbollah.Este bombardeio, que também teve a participação da Marinha israelense, provocou imensos danos na ponte e nos edifícios próximos. O número de vítimas ainda é desconhecido.Uma densa fumaça preta pode ser vista nos lugares bombardeados, que sofrem diversos incêndios. Vários prédios foram destruídos.Muitos bairros de Beirute ficaram sem luz devido aos bombardeios israelenses contra usinas elétricas e depósitos de carburantes.No sábado, uma pessoa morreu e outras 17 ficaram feridas na cidade de Baalbeck, disse a Agência Nacional de Informações.As casas de dois dirigentes do Hezbollah, os xeques Mohammed Yazbeck e Hussein Musawi, foram destruídas, mas estes não se encontravam nelas.Ainda no sábado, as residências de dois dirigentes do grupo Hamas no Líbano, Mohammed al-Nazal e Osama Hamedan, foram danificadas durante os bombardeios dos bairros no sul da capital.Mais de 35 pessoas morreram no sábado durante os bombardeios israelenses, que tiveram como alvos não apenas as regiões onde o Hezbollah está presente, mas também posições do Exército libanês no norte do país.Israel começou sua ofensiva militar contra o Líbano na quarta-feira, depois de o Hezbollah matar oito soldados israelenses e seqüestrar dois para trocá-los por prisioneiros.Na noite deste sábado, o primeiro-ministro libanês, Fouad Siniora, emitiu um emocionado pedido de "cessar-fogo imediato sob o amparo da ONU".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.