Aviação israelense bombardeia prédios da cúpula do Hamas na Faixa de Gaza

Aviões israelenses bombardearam ontem edifícios do governo do Hamas em Gaza, entre eles o escritório do premiê palestino e líder do grupo islâmico, Ismail Haniyeh. No principal prédio destruído na quarta noite da operação Pilar de Defesa, Haniyeh recebeu na sexta-feira o primeiro-ministro egípcio, Hesham Kandil, mais um sinal do controle das forças israelenses sobre os pontos estratégicos do território palestino. Israel mantém tanques cercando a fronteira, prontos para uma ação por terra.

GAZA, / AP e NYT, O Estado de S.Paulo

18 de novembro de 2012 | 02h00

Mark Regev, porta-voz do primeiro-ministro israelense, Binyamin Netanyahu, falou ontem sobre a mudança de estratégia da operação - que passou dos alvos individuais para prédios do grupo que controla a Faixa de Gaza desde 2007, quando expulsou as forças do rival Fatah.

"Está claro que o Hamas não faz distinção entre sua máquina terrorista militar e sua estrutura de governo e ambas estão interligadas", afirmou. O Hamas confirmou a destruição de vários edifícios que formavam sua sede, entre eles o Ministério do Interior.

Cerca de 30 foguetes foram lançados de Gaza na direção do sul de Israel na manhã de ontem e 3 soldados israelenses sofreram ferimentos leves. A maioria dos projéteis caiu em áreas abertas. Outro míssil foi disparado na direção de Tel-Aviv, a maior cidade de Israel. O projétil foi interceptado pelo sistema de escudo antiaéreo Domo de Ferro.

Apesar da violência, o chanceler da Tunísia, Rafik Abdesalem, chegou a Gaza ontem para manifestar a sua solidariedade. Ele denunciou os ataques de Israel como "ilegítimos e inaceitáveis".

Autoridades em Gaza informaram que, desde que Israel iniciou as operações, há cinco dias, morreram 50 palestinos, 20 deles civis, incluindo 8 crianças e 1 mulher grávida. Três civis israelenses foram mortos na quinta-feira.

Os militares israelenses anunciaram que sua Força Aérea atingiu pelo menos 180 alvos desde a meia-noite, entre eles um quartel-general da polícia, edifícios do governo, esquadrões de lançamento de foguete, um centro de treinamento do Hamas.

O complexo Al Shawa, que abriga escritórios de vários meios de comunicação palestinos, também foi atingido, deixando seis jornalistas feridos. E uma casa de três andares de propriedade de um membro da cúpula Hamas, Abu Hassan Salah, foi destruída ontem. Equipes de resgate dizem ter retirado ao menos 30 pessoas dos escombros.

Tudo o que sabemos sobre:
Paz inatingível

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.