Beatrice De Smet/NYT
Beatrice De Smet/NYT

Aviadora de 19 anos quer ser mulher mais jovem a dar a volta ao mundo sozinha

Zara Rutherford deixou a Bélgica na semana passada e planeja completar sua jornada no início de novembro; mau tempo pode ser seu maior obstáculo

Mike Ives, The New York Times, O Estado de S.Paulo

26 de agosto de 2021 | 10h00

BRUXELAS - Zara Rutherford, de 19 anos, estava a cerca de 20 minutos de finalizar um vôo da Islândia para a Groenlândia quando seu minúsculo avião perdeu o contato de rádio com o mundo exterior.

Enquanto ela voava cerca de 1.500 pés acima do Estreito da Dinamarca, ,amtemdo baixa altitude para evitar nuvens, ela ouviu um podcast no qual uma celebridade do YouTube argumentou que a única certeza na vida é a morte. “Eu estava tipo, bem, é por isso que estou ansiosa”, disse Rutherford. “Isso foi muito engraçado e me fez rir. Se ela soubesse!”

Rutherford, que é belga e britânica, começou sua jornada na Bélgica na semana passada e está planejando voltar para lá em 3 de novembro, depois de voar por 52 países em cinco continentes.

Se o fizer, ela ultrapassará Shaesta Waiz e se tornará a mulher mais jovem a circunavegar o globo sozinha em uma aeronave monomotora. (Travis Ludlow, um aviador da Grã-Bretanha, fez isso em julho, aos 18 anos.)

Dois meses atrás, Rutherford enviou um e-mail para Waiz, de 34 anos, que completou a jornada em 2017, para perguntar se estava tudo bem desafiar seu recorde. A resposta foi um entusiástico sim.

“Eu disse a ela que estou muito orgulhosa dela por ser tão corajosa - e tão jovem - para fazer isso”, disse Waiz. “Isso é o que acontece com os recordes: eles foram feitos para serem quebrados.”

Rutherford disse que viu sua própria jornada não apenas como um desafio pessoal, mas também como um meio de aumentar a conscientização sobre a diferença de gênero em áreas como aviação, ciência, tecnologia, engenharia e matemática.

Durante a viagem, ela usou as redes sociais para destacar as histórias de mulheres notáveis ​​na aviação e em outras áreas. Sua lista inclui Bessie Coleman, a primeira mulher afro-americana nos Estados Unidos a ganhar uma licença de piloto, e Lilian Bland, uma pioneira da aviação britânica que se acredita ser a primeira mulher a projetar, construir e pilotar seu próprio avião.

Depois que Rutherford chegou à Islândia na semana passada, ela se encontrou com a ministra da Justiça do país, Aslaug Arna Sigurbjornsdottir, em um hangar de aeroporto. “Um grande exemplo para as mulheres, ver que somos capazes de muito mais do que às vezes pensamos, acreditamos ou sonhamos!”, Rutherford escreveu no Facebook.

Quando criança, disse Rutherford, ela não teve muitos modelos femininos. As pessoas contariam a ela sobre Amelia Earhart, a aviadora americana que desapareceu em 1937 durante uma viagem ao redor do mundo. “Mas como uma criança de 8 ou 9 anos”, acrescentou Rutherford, “não é alguém que você realmente conhece ou admira”.

Ela encontrou outros modelos mais próximos de casa. Sua mãe, Beatrice De Smet, é uma piloto recreativa, e seu pai, Sam Rutherford, é um profissional que transporta aeronaves ao redor do mundo para clientes. Ela o acompanha há anos, às vezes voando ela mesma parte do caminho.

Sua viagem mais longa até agora foi do Texas à Jordânia. “Bem, era para ser do Texas à Índia, mas eu tive que voltar para a escola”, disse ela com uma risada em uma entrevista por telefone da Groenlândia.

Desta vez, cruzar o Atlântico é apenas o começo. Ela vai abraçar a costa leste dos Estados Unidos antes de mergulhar na Colômbia através das Ilhas Virgens Britânicas. Em seguida, irá cruzar o México, subir a costa oeste da Califórnia e ao norte até o Alasca, após um desvio para Montana.

Depois de cruzar para a Rússia pelo Estreito de Bering, ela sobrevoará a China, o Sudeste Asiático, o subcontinente indiano e o Oriente Médio, incluindo a Arábia Saudita, antes de retornar à Europa. Ela disse que o único país que evitou intencionalmente foi a Coreia do Norte.

A rota é quase comicamente irregular, em parte, ela disse, porque seu avião de dois lugares é incapaz de voar longas distâncias sobre os oceanos, mas também porque ela gosta da ideia de uma grande aventura.

“Eu poderia ter encurtado, mas acho que seria muito chato”, disse.

Patrocinadores e aeroportos estão pagando os custos da viagem, e uma empresa na Eslováquia, a Shark Aero, está fornecendo a aeronave a ela. Ela também tem uma equipe de apoio para providenciar direitos de aterrissagem e outras logísticas, e seu pai a tem aconselhado desde o início sobre especificações técnicas.

Depois que o rádio dela foi cortado durante a viagem à Groenlândia, por exemplo, ele perguntou em uma mensagem de texto se ela conseguia escalar por buracos nas nuvens a uma altitude em que a visibilidade fosse melhor.

Michael Fabry, um piloto de balsa que mora na Bélgica e por acaso voou cerca de 10.500 pés acima de Rutherford durante parte de sua viagem da Islândia para a Groenlândia, disse que ela se beneficiaria enormemente de ter uma tripulação de apoio para ajudar com a logística, especialmente na Ásia e no Oriente Médio.

Mas ela inevitavelmente encontrará ventos fortes, acrescentou ele, bem como nuvens pelas quais ela não pode voar porque seu avião não está certificado para voar apenas por instrumentos.

“Isso significa que ela tem que voar muito baixo, e muito baixo não é uma condição segura se você estiver sobre a água”, disse Fabry, um ex-piloto comercial, por telefone.

“Ela tem um pouco de experiência, mas o que está fazendo é muito, muito, muito corajoso, devo dizer”, acrescentou. “Estou um pouco preocupado. Tenho certeza de que o resto do mundo também está preocupado. ”

Rutherford disse que estava sob pressão para chegar à Rússia até o final de setembro para evitar o início do mau tempo, e que a segurança era sua prioridade. Antes de partir, ela praticou como escapar de um avião em um simulador subaquático.

Ela acha que voar sobre a água é estressante, disse, e ouve podcasts para acalmar seus nervos. Quando ela fez um pouso ventoso na Groenlândia na semana passada, depois de ficar sem contato por rádio durante a maior parte do vôo de três horas da Islândia, ela enviou a seus pais uma mensagem de texto de duas palavras: "Estou viva."

“Foi um voo muito longo. Estou muito feliz por estar no solo, para ser honesta”, disse ela em um vídeo do Instagram, acrescentando que em um ponto a baixa cobertura de nuvens a forçou a voar a apenas 600 pés acima do oceano.

Ela foi atrasada por dois dias na Groenlândia - onde saiu com alguns cientistas da NASA - por causa do mau tempo. Mas na segunda-feira ela completou sua travessia transatlântica pousando em Goose Bay, Canadá. Os caminhões de bombeiros na pista a receberam com uma saudação de canhão de água.

Na quinta-feira, Rutherford deve pousar no Aeroporto Internacional Kennedy, em Nova York, um destino raro para um avião que tem apenas cerca de 7 metros de comprimento. (Foi ideia do pai dela; ele achou que seria legal.)

“Definitivamente será o maior campo de aviação em que pousarei na minha vida”, disse ela. "Estou muito animada."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.