AFP PHOTO / Canal 10
AFP PHOTO / Canal 10

Avião cai no Uruguai durante confraternização de sobreviventes dos Andes

O acidente ocorreu na tarde de domingo, quando um avião de pequeno porte com dois tripulantes caiu no Rio da Prata, perto de Montevidéu

O Estado de S.Paulo

09 Outubro 2017 | 20h40

MONTEVIDÉU - Um chileno morreu na queda de um pequeno avião na costa do Uruguai no domingo, 8. O acidente aconteceu próximo do local onde era celebrada uma confraternização de sobreviventes da tragédia aérea dos Andes de 1972, informaram fontes ligadas ao caso à agência de notícias France-Presse.

O acidente ocorreu na tarde de domingo, quando um avião de pequeno porte com dois tripulantes caiu no Rio da Prata, perto de Montevidéu, pouco após decolar em um ponto turístico no qual integrantes das duas equipes de rúgbi e suas famílias se reuniam após disputar a Copa da Amizade, para lembrar o acidente de 1972.

O cidadão chileno morto é Fernando González, de 55 anos, que foi médico da seleção chilena de rúgbi, segundo a imprensa local. Seu corpo foi encontrado nesta segunda-feira, 9, no Rio da Prata, perto do lugar do acidente, segundo o porta-voz da Aeronáutica, Gastón Jaunsolo. González não fazia parte da equipe original de 1972.

Ainda não se sabe o que causou a queda da aeronave, a aproximadamente 400 metros da costa. "É uma notícia trágica em um momento complicado" porque são "os 45 anos da nossa história" nos Andes, disse Carlos Páez, um dos sobreviventes, hoje com 63 anos.

Em 13 de outubro de 1972, um avião Fairchild da FAU, que havia sido contratado pela equipe de rúgbi do Old Christians, caiu com 40 passageiros e 5 tripulantes na  Cordilheira dos Andes, a aproximadamente 3,5 mil metros de altitude, quando seguia para o Chile.

Treze pessoas morreram no acidente, outras nos dias seguintes, oito perderam a vida em uma avalanche que soterrou os restos da fuselagem da aeronave, e outras três pessoas morreram em decorrência dos ferimentos.

No dia 22 de dezembro, após uma odisseia de 72 dias nas montanhas geladas, em que sobreviveram alimentando-se dos corpos dos mortos, os sobreviventes foram resgatados./AFP

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.