Shahzaib Akber/EFE
Shahzaib Akber/EFE

Airbus cai com 99 a bordo em bairro de Karachi, no Paquistão; 2 sobrevivem

Os dois passageiros que sobreviveram foram identificados como o presidente de um dos maiores bancos do país e um engenheiro

Redação, O Estado de S.Paulo

22 de maio de 2020 | 08h20
Atualizado 22 de maio de 2020 | 23h36

KARACHI –  Um Airbus A320 da Pakistan International Airlines, que transportava 91 passageiros e 8 tripulantes, caiu nesta sexta-feira, 22, em um bairro residencial de Karachi, cidade mais populosa do Paquistão. De acordo com as autoridades, 97 pessoas morreram e duas sobreviveram. 

Os dois passageiros que sobreviveram foram identificados como Zafar Masood, presidente do Banco do Punjab, um dos maiores do Paquistão, e o engenheiro Muhammad Zubair. De acordo com um porta-voz do banco, o presidente sofreu diversas fraturas, mas estava consciente.

O engenheiro que sobreviveu disse à Geo News que o piloto aterrissou, chegou a tocar brevemente o solo, e decolou novamente. “Depois de mais dez minutos de voo o piloto anunciou que ia fazer uma segunda tentativa de aterrissagem, então o avião caiu antes de se aproximar da pista”, disse Zubair em um leito do Hospital Civil de Karachi.

“Tudo o que eu podia ver em volta era fumaça e fogo”, afirmou. “Eu ouvia gritos de todas as direções. Crianças e adultos. Tudo o que eu via era fogo. Não conseguia ver ninguém, somente ouvia seus gritos”, lembrou Zubair. “Soltei meu cinto e caminhei em direção a uma luz. Então pulei mais de 3 metros de altura para me salvar.”

Segundos antes do acidente, o piloto disse aos controladores de tráfego aéreo que um de seus motores não estava funcionando, revelou uma gravação postada no liveatc.net, um site de monitoramento da aviação muito respeitado. “Estamos retornando, senhor, perdemos um motor”, dizia a gravação divulgada pelo site. 

O controlador liberou todas as pistas do aeroporto, mas momentos depois o piloto gritou: “Mayday! Mayday! Mayday!”. Não houve mais nenhuma comunicação do avião, segundo a gravação, que não pôde ser imediatamente autenticada. “A última coisa que ouvimos do piloto é que havia algum problema técnico... É um incidente trágico”, disse Abdullah H. Khan, porta-voz da companhia aérea estatal.

Um funcionário de alto escalão da aviação civil disse à agência Reuters que, aparentemente, o avião não conseguiu descer seu trem de pouso na primeira tentativa de decolagem, mas destacou que era muito cedo para determinar a causa do acidente. 

Segundo a empresa aérea, o voo PK8303 decolou de Lahore e deveria pousar às 14h30 (horário local) em Karachi, mas desapareceu do radar. O acidente ocorreu alguns dias após o Paquistão permitir a retomada dos voos comerciais, em meio à pandemia do novo coronavírus.

Fotos compartilhadas nas redes sociais mostram fumaça subindo do local do acidente. O avião danificou os telhados de algumas casas antes de cair e explodir em chamas. Restos da fuselagem retorcida podiam ser vistos entre os prédios, cercados por uma multidão de curiosos. 

Entre os passageiros do Airbus A320 havia vários militares e empresários, um ex-parlamentar e o executivo de uma rede de TV paquistanesa. Funcionários civis e militares trabalhavam na operação de resgate, mas o anoitecer prejudicou o andamento dos esforços para encontrar as vítimas. O marechal Arshad Malik, executivo da companhia aérea, disse em uma entrevista coletiva que vários corpos estavam presos entre os destroços e a operação de resgate poderia levar dois ou três dias. 

O acidente ocorreu na véspera da celebração muçulmano de Eid al-Fitr, que marca o fim do jejum do Ramadã, quando os paquistaneses viajam para visitar a família. “O avião primeiro atingiu uma torre de celular, depois caiu sobre várias casas”, disse Shakeel Ahmed, que testemunhou o acidente a poucos quilômetros do aeroporto. Rizwan Khan, um ativista que ajudava no resgate, disse que pelo menos oito casas foram completamente destruídas. “No começo, tentamos retirar as pessoas, mas não conseguimos por causa do calor intenso”, lamentou.

O primeiro-ministro paquistanês, Imran Khan, postou um tuíte no qual disse estar chocado e entristecido com o acidente. Ele falou que, após o trabalho de resgate, será aberta uma investigação para saber as causas da queda. O premiê também enviou condolências à famílias das vítimas.

Histórico de acidentes

O Paquistão tem um histórico de acidentes aéreos. Em 2010, uma aeronave operada pela companhia aérea privada Airblue caiu perto de Islamabad, matando todas as 152 pessoas a bordo (desastre aéreo com mais mortes da História do país).

Em 2012, um Boeing 737-200 operado pela Bhoja Air, do Paquistão, caiu devido ao mau tempo, em Rawalpindi, matando todos os 121 passageiros e seis tripulantes.

E em 2016, um avião da Pakistan International Airlines pegou fogo enquanto voava do Norte do Paquistão para Islamabad, matando 47 pessoas. / AFP, REUTERS e NYT

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.