Avião da Air Algerie caiu no Mali, afirma autoridade argelina

Autoridades do aeroporto de Burkina Fasso confirmaram que destroços do voo AH5017 foram encontrados

O Estado de S. Paulo

24 de julho de 2014 | 07h45

(Atualizada às 11h50) MADRI - O avião operado pela Air Algerie que desapareceu nesta quinta-feira, 24, enquanto sobrevoava o Mali caiu, afirmou uma autoridade da aviação argelina. "Eu posso confirmar que ele caiu", afirmou a fonte sem dar mais detalhes da causa do acidente.

Autoridades do aeroporto de Burkina Fasso confirmaram que destroços do avião foram encontrados no Mali.

Após a informação da companhia aérea privada espanhola Swiftair sobre a perda de contato com a aeronave, o ministro dos Transportes francês Frederic Cuvillier afirmou que o avião desapareceu enquanto sobrevoava o norte do Mali. Estavam a bordo 110 passageiros e 6 tripulantes.

O avião decolou de Burkina Fasso, país da costa oeste da África, à 1h17 (horário local) e deveria ter aterrissado em Argel, capital da Argélia quatro horas depois, mas não chegou a seu destino. Segundo o ministro dos Transportes de Burkina Faso Jean Bertin Ouedrago, a aeronave pediu para mudar de rota em razão de uma tempestade.

Dois aviões militares franceses que ficam na África foram deslocados para tentar localizar o voo AH5017, informou o porta-voz do Exército francês Gilles Jaron. "Eles irão checar uma área desde o último ponto conhecido do avião até o fim de sua provável rota."

O voo, que fazia a rota Ouagadougou-Argel, tinha sido fretado para um período de dois meses. O avião, segundo a Swiftair, é um McDonnell Douglas MD-83.

O representante da Air Algerie em Burkina Fasso afirmou que haviam 50 franceses na lista de passageiros. Segundo o jornal El País, seis espanhóis também estavam a bordo.

O Sindicato de Pilotos Comerciais (Sepla), afirmou que os seis eram os tripulantes da aeronave. "Tanto os dois pilotos como a tripulação auxiliar são espanhóis", disse um porta-voz. /AP, EFE e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.