Beawiharta/Reuters
Beawiharta/Reuters

Avião da AirAsia com 162 a bordo some em rota entre a Indonésia e Cingapura

O voo perdeu o contato com a cabine após 42 minutos de voo; 7 estrangeiros e 155 indonésios estavam na aeronave

O Estado de S. Paulo

28 de dezembro de 2014 | 06h29

(Atualizado às 8h36) - JACARTA - Equipes de resgate da Indonésia retomaram nesta segunda-feira, 29, às 6 horas locais (21 horas de domingo em Brasília) as buscas por um Airbus A320 que desapareceu na madrugada de domingo enquanto sobrevoava o arquipélago rumo a Cingapura. O voo QZ8501, da AirAsia, partiu da cidade de Surabaya rumo à ex-colônia britânica e desapareceu 42 minutos após a decolagem.

Oficiais disseram, nesta segunda, que há poucos indícios para se acreditar que o avião da AirAsia não tenha sofrido um acidente. "Baseado nas coordenadas que sabemos e na suposta queda do avião, a nossa hipótese é de que a aeronave está no fundo do mar", disse Henry Bambang, o chefe da operação de resgate.

Um helicóptero indonésio diz ter visto duas manchas de óleo durante as buscas, e um avião australiano que também participa da operação afirma ter encontrado indícios de objetos flutuando no mar em uma região distante da área estimada da queda. Ainda não há confirmação se estes indícios estão relacionados à aeronave perdida.

Os pilotos chegaram a pedir para mudar a rota do voo e ascender a 38 mil pés para evitar o mau tempo, mas não receberam autorização para atingir essa altitude por causa do tráfego aéreo e minutos depois perderam o contato com a torre de controle.

Segundo a AirAsia, a aeronave voava com 7 tripulantes e 155 passageiros, dentre eles 17 crianças. Sete eram estrangeiros: três sul-coreanos, um de Cingapura, um da Malásia, um inglês e um francês. Os outros eram da Indonésia. Segundo o Departamento de Estado dos EUA, um dos passageiros teria passaporte americano.

O almirante Sigit Setiayana, comandante do Centro de Aviação Naval da base da Força Aérea de Surabaya, disse que 12 barcos da Marinha, 5 aviões, 3 helicópteros e vários navios de guerra vasculhavam uma área a leste e sudeste da Ilha Belitung, no Mar de Java, assim como as águas vizinhas. Setiayana disse que a visibilidade era boa e esperava encontrar o avião logo. Cingapura, Malásia e Austrália ajudam nas buscas.


O acidente é o terceiro deste ano envolvendo uma companhia aérea da Malásia e o segundo a ocorrer no Sudeste Asiático. Em março, um Boeing-777 da Malaysia Airlines que viajava de Kuala Lumpur a Pequim caiu sobre o Oceano Índico sem deixar rastros. Em setembro, um outro avião, do mesmo modelo e da mesma companhia, que ia de Amsterdã rumo à capital malaia foi derrubado por um míssil terra-ar e caiu na zona de conflito no leste da Ucrânia.

O último contato com o controle de tráfego teria sido às 6h12 do horário local (21h12 de sábado no horário de Brasília), 42 minutos após a decolagem. O piloto havia pedido para desviar de nuvens com uma nova rota mais à esquerda e subir a 38 mil pés. A torre de controle autorização para que o avião saísse da rota , mas não ascendesse a 38 mil pés em razão das condições de tráfego e porque precisavam confirmar com outros controladores da região. Cerca de 5 minutos depois o avião já havia desaparecido dos radares.

No aeroporto de Surabaya, parentes dos passageiros choravam e buscavam informações sobre o acidente. “A última coisa que meu marido me falou foi que se Deus quiser, 2015 será de muita sorte e se desculpou por não estar conosco no ano-novo”, disse Nias Adityas, uma dona de casa indonésia, sobre seu marido, o agente de turismo Nanang Priowidodo, que viajava para Cingapura a trabalho.

Também no aeroporto, o indonésio Dimas (muitos indonésios usam apenas um nome)procurava notícias sobre sua mulher, Ratri, que levava uma excursão de 25 turistas a Cingapura. Sua esperança era a de que o piloto tenha tentado um pouso forçado. “Apenas podemos rezar e esperar que todos estejam bem”, disse. “Claro que estamos preocupados, mas precisamos nos render à fé.”

Suspeitas. Autoridades suspeitam que a aeronave tenha passado por nuvens de tempestade após percorrer pouco menos de metade do trajeto previsto. Uma enorme operação de busca foi iniciada perto da Ilha de Belitung, no Mar de Java, onde o avião estava quando perdeu contato.

Segundo um funcionário da agência de resgate da Indonésia, os aviões envolvidos nas buscas retornaram para as bases ontem à noite, no horário local, mas alguns navios permaneceram na área que o avião sobrevoava quando perdeu contato.

As buscas se concentram num raio de 270 milhas náuticas da costa da ilha indonésia de Bangka, centro de mineração de estanho e de cultivo de pimenta ao sul de Cingapura, mas pode ser ampliado. (Com informações da AP e do NYT)

O mapa abaixo mostra a rota que o avião deveria seguir e o local aproximado de onde perdeu contato com os controladores de voo:

Cronologia: tragédias recentes

24/07/2014

Swiftair

Avião MD-83 da companhia espanhola, operado pela Air Algerie, cai entre Uagadugu, capital de Burkina-Faso, e Argel, matando as 116 pessoas a bordo.

17/07/2014

Malaysian Airlines

Todas as 298 pessoas a bordo do Boeing-777 morrem quando o avião é atingido por um míssil terra-ar em uma zona de conflito no leste da Ucrânia.

08/03/2014

Malaysian Airlines

O Boeing-777 desaparece quando viajava de Kuala Lumpur a Pequim com 239 a bordo. As buscas no Oceano Índico não tiveram êxito.

03/06/2012

Dana Air

O avião MD-83 bate em um prédio na Nigéria, matando os 153 ocupantes e 7 pessoas em terra.

20/04/2012

Bhoja

O Boeing-737 da empresa paquistanesa cai durante voo entre Karachi e Islamabad, matando 138 pessoas, 11 delas em terra.

28/07/2010

Air Blue

Airbus A320 cai em colina perto de Islamabad, matando 153 a bordo.

22/05/2010

Air India

Boeing-777 que seguia de Dubai para a Índia cai no aeroporto de Mangalore, matando 158 pessoas. Oito passageiros sobrevivem.


Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.