Avião da FAB espera 24 horas para pousar no Haiti

A Força Aérea Brasileira (FAB) levou 24 horas para conseguir permissão para aterrissar um dos aviões que trazia para o Haiti remédios, 60 profissionais da área de saúde e equipamentos para abrir um hospital de campanha capaz de cuidar de 400 pessoas. O aeroporto de Porto Príncipe está sendo comandado pelos Estados Unidos desde que o terremoto arrasou o país.

AE, Agencia Estado

18 de janeiro de 2010 | 08h27

Mas não foi apenas o Brasil que enfrentou dificuldades para pousar aeronaves com ajuda humanitária. A França protestou à embaixada norte-americana sobre o impedimento de pouso de aeronaves do país. Ontem, um grupo de bombeiros do Peru também visitou a base militar brasileira para reclamar da falta de autorização para a chegada de um avião peruano com remédios e material hospitalar.

Os EUA fizeram um acordo com o governo haitiano para assumir o controle do aeroporto da capital, principal via de acesso da ajuda humanitária. Assim, indiretamente, os norte-americanos passaram e decidir sobre quem pousa e decola na pista. O general P.K. Keen, responsável pelas operações dos EUA no Haiti, afirmou que a dificuldade para conseguir autorização para pousos e decolagens foi generalizada e "afetou até aviões americanos". As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
HaititerremotoaviãoaeroportoEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.