Avião de pequeno porte colide contra prédio em Manhattan

Um avião monomotor transportando o jogador de beisebol Cory Lidle, do New York Yankees, chocou-se contra um prédio residencial na região de Upper East Side, em Manhattan. O acidente provocou um forte incêndio e pedaços em chamas da aeronave atingiram a rua. A explosão, que lançou nuvens espessas de fumaça negra no céu da cidade, fez muitos nova-iorquinos relembraram a fatídica manhã de 11 de setembro de 2001. Talvez por este motivo, autoridades americanas foram rápidas em descartar a hipótese de um novo atentado terrorista. Embora o prefeito de Nova York, Michael Bloomberg, tenha se recusado a identificar as vítimas, um oficial de justiça, que falou sob condição de anonimato, disse que Lidle estava a bordo do avião. O passaporte do jogador teria sido encontrado em meio aos restos da aeronave. Bloomberg disse apenas que um instrutor de vôo e um piloto em treinamento com 75 horas de vôo estavam abordo, e que ambos estariam mortos. Antes de se chocar contra o prédio na ilha de Manhattan, a aeronave teria circulado a Estátua da Liberdade. Os dois corpos foram encontrados na rua do prédio, e o motor do avião foi encontrado em um dos apartamentos, que foi tomado pelo fogo.Não está claro quem estava no comando quando o avião bateu entre o 30º e 31º andar do prédio. Espessas nuvens de fumaça negra podiam ser vistas sobre o "skyline" da cidade, e as chamas tomaram os apartamentos. Segundo o oficial de justiça, o avião chegou a enviar sinais de alerta antes de se chocar.Registros da Administração Federal de Aviação (FAA, na sigla em inglês) mostram que o monomotor pertencia ao atleta, que nos últimos meses havia assegurado a jornalistas que voar era seguro e que o Yankees - que perderam um jogador vítima de um acidente aéreo em 1979 - não tinham motivos para se preocupar."Voar?", disse Lidle em uma recente entrevista ao jornal The Philadelphia Inquirer. "Não estou preocupado com isso. Estou seguro lá em cima. Me sinto confortável com minhas habilidades para pilotar."No domingo, dia em que o Yankees foi eliminado do campeonato americano de beisebol, Lidel esvaziou seu guarda-roupa no Estádio Yankee e falou sobre sua paixão pela aviação. Ele disse que pretendia voar de Nova York para a Califórnia em vários dias, e que faria algumas paradas.PânicoO acidente espalhou medo em uma cidade devastada pelos ataques terroristas de 11 de Setembro, há cinco anos. Testemunhas disseram ter ouvido sirenes em toda a região leste de Manhattan, enquanto socorristas corriam para a cena. A colisão gerou um forte barulho. "É uma cena de mobilização, com policiais e helicópteros circulando", disse Sandy Teller, que observava a movimentação de seu apartamento, a um quarteirão de distância do local. "Há dezenas de ambulâncias e bombeiros esperando na esquina da 72ª."Diante da reação de pavor da população logo após a explosão - provocada pela lembrança dos atentados de 11 de setembro de 2001 - a porta-voz do FBI Christine Monaco adiantou-se em dizer que não havia indicações de ataque terrorista. Ainda assim, logo após o acidente, jatos da Força Aérea dos EUA sobrevoaram cidades americanas por precaução. Ainda não há informes sobre o que causou a colisão.A aeronave atingiu o 20º andar do The Belaire, um prédio de 50 andares localizado na 72ª rua leste. As chamas atingiram dois andares do edifício.O prédio foi construído no final da década de 1980, e possui 183 apartamentos, parte deles vendidos a mais de US$ 1 milhão.Texto atualizado às 22 horas

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.