Avião dos EUA que espionava a China pode ser reparado

Técnicos norte-americanos que inspecionaram o avião danificado dos EUA que está retido na China disseram que a aeronave pode ser reparada e deixar a ilha de Hainan. O Pentágono ainda não decidiu como proceder.O secretário de Defesa dos EUA, Donald H. Rumsfeld, teria dito a pessoas próximas a ele preferir que o avião partisse com destino a algum território norte-americano, mas a China informou às autoridades norte-americanas em Pequim que não permitiria isto, disseram dois oficiais que comentaram o assunto sob condição de anonimato.Um alternativa seria desmontar o aparelho turboélice e transportá-lo em uma embarcação ou em uma aeronave de carga. Hoje, não estava claro se a administração Bush pressionaria Pequim para obter permissão de vôo."Todas as inspeções necessárias foram completadas", afirmou o porta-voz tenente-coronel Terry Sutherland. "Eles conseguiram o que precisavam." Sutherland afirmou que a equipe de cinco técnicos planeja partir da ilha de Hainan, China, na manhã de sábado e seguir para o Havaí afim de apresentar seu relatório ao Comando Pacífico dos Estados Unidos.O danificado avião de reconhecimento está na pista de pouso de uma base militar em Hainan desde 1º de abril. O aparelho fez um pouso de emergência após ter colidido com um caça chinês sobre o mar do Sul da China. O piloto do caça chinês morreu. A tripulação norte-americana do avião de espionagem ficou detida em Hainan por 11 dias antes de ser liberada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.