AP Photo/Bebeto Matthews
AP Photo/Bebeto Matthews

Avião é colocado em quarentena em Nova York depois de 100 passageiros passarem mal

Aeronave A380 partiu de Dubai e pousou nos EUA às 9h20 (hora local); dez passageiros foram levados a um hospital na região, mas maioria foi liberada para continuar viagem

O Estado de S.Paulo

05 Setembro 2018 | 12h48
Atualizado 05 Setembro 2018 | 19h40

NOVA YORK - Cerca de 100 passageiros e membros da tripulação relataram ter passado mal durante um voo da companhia Emirates de Dubai para Nova York e foram colocados em quarentena após pousarem no Aeroporto Internacional John F. Kennedy. Eles foram avaliados por um corpo médico e dez foram levados para um hospital na região. 

A aeronave envolvida é um Airbus A380 de dois andares - o maior avião de passageiros do mundo, segundo o FlightAware.com - e levava 521 passageiros. 

Em um comunicado, o americano Centro de Prevenção e Controle de Doenças (CDC, na sigla em inglês) afirmou que cerca de 100 pessoas reclamaram que estavam se sentindo doente durante o voo. Os sintomas incluiam tosse e febre. Eles foram examinados, tiveram a temperatura medida e, aqueles em situação mais grave, foram levados de ambulância, informou o porta-voz do CDC, Benjamin Haynes.  

Mais cedo, a sede da Emirates em Dubai afirmou em um comunicado que 10 pessoas estavam doentes no voo, que partira do país no Oriente Médio, e foram levadas para o hospital. No entanto, o texto não especificou os sintomas ou a natureza das reclamações. 

O voo 203 da Emirates Airline chegou ao aeroporto por volta das 9h20 (hora local). 

Eric Phillips, porta-voz da prefeitura de Nova York, afirmou pelo Twitter que os doentes foram levados para o Centro Médico do Hospital Jamaica. Ao meio-dia, ele informou que outras 8 pessoas, além das 10 internadas, estavam sendo tratadas no aeroporto e 432 já tinham sido liberadas para continuar suas viagens. Segundo Phillips, o prefeito, Bill de Blasio, estava sendo informado sobre a situação.

Durante o voo, os passageiros apresentaram sintomas, incluindo tosse e vômito, o que levou o piloto a notificar as autoridades nos EUA. "As pessoas estavam tossindo o vôo inteiro, sem cobrir a boca", disse a passageira Erin Sykes, acrescentando que 30 minutos antes do pouso o piloto anunciou que os passageiros não desembarcariam imediatamente. "Eles estavam cuspindo pelo lugar."

O rapper Vanilla Ice, cujo nome verdadeiro é Robert Van Winkle, escreveu no Twitter que ele estava no avião, mas não estava entre os que se sentiram mal. Ele postou uma foto de carros de polícia e ambulâncias alinhadas ao avião. / REUTERS e NYT 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.