Avião espião vai aos pedaços para os EUA

Exatamente três meses após o avião de espionagem EP-3E, da Marinha dos Estados Unidos, ter feito um pouso de emergência na ilha chinesa de Hainan, ele começou a retornar em partes ao poder dos EUA, informaram oficiais nesta segunda-feira. Pedaços da aeronave desmantelada voaram nesta segunda-feira a bordo de um avião de carga de fabricação russa até a Base Aérea de Kadena, na ilha japonesa de Okinawa. O avião de carga deverá fazer seu último vôo com a fuselagem desmontada do EP-3E na quarta-feira, informou o porta-voz do Comando Pacífico, major Sean Gibson. O EP-3E compunha uma frota de vigilância eletrônica com base em Kadena. Ainda de acordo com os oficiais, o avião de espionagem desmontado será levado ainda esta semana de Kadena até a fábrica da Lockheed Martin, no Estado norte-americano da Georgia. A Marinha já manifestou seu desejo de ter a aeronave remontada para que ela volte a operar. Originalmente, os Estados Unidos queriam reparar o EP-3E na base militar de Lingshui, na ilha de Hainan, onde o avião ficou desde o pouso forçado de 1º de abril. Mas a China não permitiu. Como alternativa, os EUA enviaram técnicos da Lockheed Martin à ilha para remover as asas do avião, os quatro motores, os trens de pouso, a cauda e outras partes da aeronave. A equipe da Lockheed Martin chegou a Hainan em 15 de junho para começar a desmontar o aparelho. Gibson disse desconhecer os detalhes da agenda do vôo final no qual será transportada a fuselagem do EP-3E. No domingo, segundo ele, um Antonov-124 fretado transportou os pedaços do avião até Kadena. O vôo não foi anunciado. Ainda de acordo com Gibson, o Antonov retornaria a Hainan para buscar a fuselagem.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.