Courtesy of Defense One/Handout via REUTERS
Courtesy of Defense One/Handout via REUTERS

Avião militar dos EUA com capacidade para 100 passageiros resgata 640 afegãos

Aeronave C-17 Globemaster III tem capacidade original para 134 passageiros, segundo a fabricante Boeing, mas homens, mulheres e crianças que conseguiram subir foram transportados para fora do país

Redação, O Estado de S.Paulo

17 de agosto de 2021 | 10h07
Atualizado 17 de agosto de 2021 | 12h44

As cenas de desespero de afegãos ocupando a pista do aeroporto internacional de Cabul e se agarrando a aviões, na tentativa de deixar o país a qualquer custo depois da tomada da capital pelo Taleban,  repercutiram por todo o mundo. Em meio aos questionamentos sobre a responsabilidade dos Estados Unidos e de seus aliados em incluir pessoas que se sentem em risco com a volta do grupo extremista em seus planos de retirada, 640 cidadãos afegãos foram embarcados em um voo americano com destino ao Catar - em um avião com capacidade para pouco mais de 100 pessoas.

Imagens do interior do avião militar C-17 Globemaster III mostram centenas de homens, mulheres e crianças agachados e amontoados uns contra os outros no chão da aeronave. O momento caótico, no qual alguns tentam segurar suas bagagens e outros dar a mamadeira de seus filhos, viralizaram nas redes sociais nessa segunda-feira, 16, mas a retirada, de acordo com uma fonte militar dos EUA, ocorreu no domingo, 15.

Para Entender

O que é o Taleban e como o grupo retomou o poder no Afeganistão

Grupo fundamentalista que busca instaurar uma versão radical da lei islâmica se espalhou por todo o país, invadindo uma cidade após a outra até conquistar Cabul

"O número incomum de passageiros foi o resultado de um ambiente de segurança dinâmico que exigiu uma rápida tomada de decisões por parte da tripulação, o que garantiu que esses passageiros fossem rapidamente levados para fora do país", disse militar, ouvido sob condição de anonimato pela Reuters.

Originalmente, a aeronave C-17 Globemaster III tem capacidade para transportar 134 passageiros, incluindo 54 nos assentos laterais e 80 em paletes no chão, de acordo com a fabricante Boeing. 

No entanto, muitos dos afegãos subiram a bordo do avião por meio de uma rampa semiaberta, antes que o vôo partisse para o Catar, o que resultou em um dos maiores números de passageiros já transportados em uma aeronave do tipo, segundo o site especializado Defense One. 

Outros vídeos e fotos angustiantes surgiram do aeroporto de Cabul, onde várias pessoas morreram tentando escalar aeronaves ou agarrar o trem de pouso de aviões em movimento em tentativas desesperadas de fugir do Taleban.

Veja o mapa do Afeganistão

 
Para alguns observadores, a imagem dentro do C-17 foi visto como um sinal de esperança e bravura da tripulação durante a retirada.  "Apesar de todas as falhas desta semana, há algumas coisas boas nisso", disse Blake Herzinger, analista de segurança de Cingapura, que compartilhou a imagem no Twitter.

Mas para outros, serviu como um lembrete dos esforços calamitosos de retirada do Afeganistão, depois que os Estados Unidos retiraram suas forças após 20 anos de guerra e o Taleban assumiu o poder em dias - enquanto as previsões divulgadas pela inteligência americana previa que isso só ocorreria em meses. "Precisamos de muito mais aviões desse tipo", disse Kenneth Roth, diretor executivo da organização não governamental Human Rights Watch.

Fato ou Fake?

Há uma outra foto que circula nas redes sociais de um avião militar lotado de pessoas, mas ela é de 2013, e nenhuma das pessoas no avião usa burca ou vestes islâmicas. Ela foi feita nas Filipinas pela Força Aérea Americana

A imagem usada de maneira enganosa mostra o resgate de 670 pessoas da cidade de Tacloban em um avião C-17 Globemaster III para a capital, Manila, após a passagem do tufão Haiyan. É possível ver que não há nenhuma mulher com burca, vestimenta comum no Afeganistão. 

A foto que viralizou é diferente da publicada nesta reportagem, que mostra afegãos sendo levados num avião militar. Ela foi obtida pelo Defense One, site especializado dos EUA, junto ao Departamento de Estado dos EUA. / Com informações da REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.