AP
AP

Avião militar sírio aterrissa na Jordânia e piloto pede asilo político

Hassan Muri Hamada desertou da Força Aérea da Síria e já decolou com intenção de ir ao país

21 de junho de 2012 | 09h40

AMÃ - O avião militar sírio Mig 21, que perdeu contato com as autoridades de Damasco pouco tempo após ter decolado, aterrissou em uma base aérea na Jordânia, onde seu piloto, um coronel do exército da Síria, pediu asilo político.

Veja também:

linkBombas atingem comboio integrado por jornalistas na Síria

linkConflitos na Síria deixam 46 mortos, afirma ONG

tabela ESPECIAL: Primavera Árabe

Fontes governamentais jordanianas disseram à Agência Efe que o avião precisou fazer uma "aterrissagem de emergência" na base aérea Rei Hussein, localizada na região de Mafraq, a cerca de 60 quilômetros de Amã.

Segundo a agência "Petra", o piloto sírio, identificado como Hassan Muri Hamada, desertou da Força Aérea de seu país e já decolou com intenção de buscar asilo político na Jordânia.

As autoridades de Damasco perderam o contato com o avião Mig 21, de fabricação russa, no momento em que o piloto efetuava um treinamento no sul do país, próximo a fronteira com a Jordânia.

O caso deste piloto de caça representa a primeira deserção das Forças Armadas sírias com um avião militar desde o início da revolta contra o regime de Bashar al Assad em março de 2011.

As autoridades da Jordânia defenderam em várias ocasiões uma solução política para o conflito sírio. Apesar de evitar interferir nos assuntos internos do país vizinho, a Jordânia tramitou a chegada de milhares de refugiados sírios.

Damasco, por sua vez, usa o exército para combater o que chama de "grupos terroristas armados", que, segundo o regime de Bashar al Assad, parte de "uma conspiração" contra a Síria organizada por outros países.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.