Avião particular americano cai perto da Jamaica

Aeronave partiu de Nova York e deveria pousar na Flórida, mas parou de responder às chamadas via rádio 

O Estado de S. Paulo

05 de setembro de 2014 | 16h15

WASHINGTON - Um avião americano de pequeno porte que não respondia às chamadas via rádio atravessou o espaço aéreo cubano e caiu no mar perto da costa da Jamaica nesta sexta-feira, 5. A aeronave particular saiu de Rochester, em Nova York, às 8h30 (1h30 pelo horário de Brasília) e deveria ter aterrizado em Naples, na Flórida.

O Comando de Defesa Aérea da América do Norte (Norad) afirmou que dois caças F-15 americanos foram enviados para escoltar a aeronave quando não houve mais resposta da tripulação aos chamados pelo rádio. A escolta ocorreu até a linha de 12 milhas litorâneas que marca o espaço aéreo americano. Quando o avião entrou no espaço aéreo cubano, os caças deixaram de acompanhá-lo.

De acordo com a emissora de TV CNN, os pilotos dos caças viram o piloto caído e janelas congeladas. A Administração Federal de Aviação (FAA) afirmou, em comunicado, que o piloto deixou de responder às chamadas via rádio por volta das 13 horas (14 horas de Brasília) quando o avião, modelo Socata TBM 700, voava a cerca de 25 mil pés de altura. Segundo o Norad, possivelmente o piloto e a tripulação tenham perdido a consciência por falta de oxigênio na cabine.

Um oficial da aviação cubana disse à agência Reuters que Cuba estava em contato com autoridades dos EUA sobre o avião, mas o espaço aéreo cubano não tinha sido violado. "Não houve qualquer violação do espaço aéreo, e estamos trabalhando em coordenação com as autoridades dos Estados Unidos", disse um funcionário do Instituto de Aviação Civil de Cuba.

De acordo com o site FlightAware, que monitora milhares de voos em tempo real, o avião acidentado teria o número de registro N900KN. Essa aeronave seria de uma imobiliária em Rochester chamada Buckingham Properties, de propriedade de Larry Glazer. 

Em entrevista à emissora americana News 8, Ken Glazer, filho de Larry, afirmou que apena seu pai e sua mãe estavam a bordo do avião. Há relatos, porém, de que um terceiro passageiro poderia estar na aeronave. / AP, REUTERS e EFE

Mais conteúdo sobre:
aviãoqueda de aviãoEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.