Avião que fez pouso forçado era húngaro, diz Irã

O Irã informou hoje que um avião que invadiu o espaço aéreo do país e foi forçado a pousar era húngaro e não levava norte-americanos. Inicialmente, a agência semi-oficial iraniana Fars afirmou que tratava-se de um avião militar com norte-americanos. Um alto militar iraniano disse em entrevista à emissora Al-Alam que o incidente ocorreu em 30 de setembro. As forças dos Estados Unidos em Bagdá também confirmaram que não havia norte-americanos na aeronave. "Agora foi confirmado que trata-se de um avião de transporte leve, sem americanos a bordo", afirmou o porta-voz militar norte-americano coronel David Russell. "Pelo que sei, era um jato Falcon", completou ele, apontando que não havia aeronaves dos EUA faltando.Anteriormente, a Casa Branca ironizou os relatos vindos do Irã, apesar de dizer que acompanhava o caso. "Nós estamos investigando os vários e conflitantes relatos vindos das agências de ''notícias'' iranianas, mas não há nenhuma informação que nos leve a acreditar que eles estejam corretos", afirmou o porta-voz Gordon Johndroe. Antes, a Fars sustentou que havia oito norte-americanos a bordo, que eles teriam sido interrogados em um aeroporto iraniano e liberados no dia seguinte. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.