Avião russo foi mesmo abatido por míssil

O chefe da comissão que investigou a queda, na semana passada, do avião comercial russo, Vladimir Rushalaio, anunciou hoje que a aeronave foi realmente atingida por um míssil antiaéreo. O Tu-145, que havia partido de Tel Aviv (Israel) e seguia para a cidade siberiana de Novosibirsk, explodiu no ar e caiu sobre o Mar Negro, em uma área próxima à cidade russa de Sochi, matando todas as 78 pessoas a bordo. Rushailo confirmou a jornalistas a versão que deu inicialmente às autoridades norte-americanas, segundo a qual o avião havia sido atingido acidentalmente por um míssil S-200 durante manobras militares realizadas pelas Forças Armadas da Ucrânia na Península da Criméia. Os investigadores declararam ter encontrado fragmentos de metal similares aos de um míssil S-200 entre os destroços do avião e nos corpos das vítimas. O governo ucraniano admitiu que, no momento da tragédia, estava realizando exercícios militares. No entanto, alegara ser impossível que um de seus mísseis tenha sido o responsável pelo desastre. Entretanto, hoje, o diretor do Conselho de Segurança ucraniano, Yevhen Marchuk, que também é membro da comissão que investiga o incidente, aceitou a hipótese de que um míssil disparado durante os exercícios militares possa ter atingido o avião. ?A razão do acidente pode ter sido o impacto não intencional de um míssil S-200 durante exercícios de defesa antiaérea da Ucrânia", disse Marchuk à imprensa. Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.