Avião sírio cai em área controlada pelo Estado Islâmico

Um avião militar sírio caiu em Raqqa, considerada a capital do grupo Estado Islâmico no país, e matou oito pessoas, enquanto milhares de moradores fugiam para vilas próximas em razão da expectativa de ataques aéreos norte-americanos contra os militantes sunitas, informaram ativistas.

Estadão Conteúdo

16 de setembro de 2014 | 12h21

Não estava claro se o avião que caiu na cidade, localizada no nordeste da Síria, foi atingido por fogo antiaéreo ou sofreu uma falha técnica, segundo um ativista que mora em Raqqa e o Observatório Sírio pelos Direitos Humanos, grupo sediado em Londres.

Em Damasco, rebeldes sírios que estavam escondidos no esgoto saíram para atacar tropas do governo durante a madrugada, uma das poucas tentativas de ultrapassar os limites da capital desde o início do conflito contra o governo do presidente Bashar Assad, três anos atrás, disseram ativistas.

Pelo menos 18 combatentes foram mortos na área de Midan, ao sul da capital, depois de dois grupos de rebeldes terem se reunindo na rede de túneis da cidade para atacar um posto de verificação do governo sírio, informou Rami Abdurrahman, do Observatório. Os combatentes pertencem a várias brigadas rebeldes, dentre elas a Frente Nusra, afiliada à Al-Qaeda.

Os confrontos duraram quatro horas, disse um ativista que mora no leste de Damasco e se identifica como Mamoun Ayoubi. Segundo ele, os combatentes tentavam aliviar a pressão sobre os rebeldes no leste de Damasco. "Esta não é uma situação normal. Os combates não foram interrompidos entre 3h e 7h", disse Ayoubi, pelo Skype.

Pesados confrontos têm sido registrados na parte leste de Damasco nas últimas semanas. Os rebeldes têm lançado morteiros em direção à capital, matando civis, e entrado em combate perto do bairro de Jaramana, controlado pelo governo. Aviões do governo têm bombardeado cidades próximas, aparentemente em represália, matando dezenas de civis. A tentativa de entrar na capital nesta terça-feira aconteceu após uma fracassada ação semelhante, um dia antes.

Mais de 190 mil pessoas foram mortas desde o início do conflito, em 2011, que acabou por se transformar numa guerra civil.

Os Estados Unidos têm realizado ataques contra combatentes do Estado Islâmico no Iraque, desde que eles começaram a avançar na direção de cidade de Irbil, na região curda semiautônoma, no mês de agosto. Na semana passada, o presidente Barack Obama autorizou a realização de ataques aéreos contra o grupo também em território sírio e seu governo tenta estabelecer uma coalizão internacional para combater o grupo. Fonte: Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.