Avião sírio transportava equipamento militar a Turquia

O avião comercial da Syrian Air interceptado por caças turcos quando voava de Moscou a Damasco transportava equipamento militar e munições destinadas ao Ministério da Defesa da Síria, afirmou nesta quinta-feira o primeiro-ministro da Turquia, Recep Tayyip Erdogan. A declaração do premiê turco ocorreu após o governo sírio negar enfaticamente que o Airbus 320 da Syrian Air transportasse qualquer carga ilegal. A Síria afirma que a intercepção do voo comercial foi um "ato de pirataria" cometido pela Turquia. Também nesta quinta-feira, mais de 20 pessoas foram mortas em combates e emboscadas entre tropas do presidente sírio Bashar Assad e insurgentes ao redor da Síria.

AE, Agência Estado

11 de outubro de 2012 | 18h48

Em Damasco, uma forte explosão ocorreu no prédio da Justiça militar no final da tarde, informou o Observatório Sírio pelos Direitos Humanos, grupo sediado em Londres. A televisão estatal disse que duas pessoas ficaram feridas nesse ataque.

Mais cedo nesta quinta-feira, políticos turcos negaram as acusações feitas pela Rússia, aliada da Síria, de que o governo turco colocou em perigo a vida dos passageiros russos que estavam a bordo do avião da Syrian Air. Dos 35 passageiros, 17 eram russos. O avião ficou retido em Ancara por várias horas, mas foi liberado para prosseguir até Damasco com todos os passageiros na noite de ontem.

O porta-voz da chancelaria russa, Alexander Lukashevich, disse que Moscou ficou preocupada com os passageiros. Segundo ele, a Turquia, sem explicações, impediu que funcionários da Embaixada russa em Ancara e um médico tivessem acesso aos passageiros, os quais durante oito horas tiveram que aguarda no avião, sem poderem descer no aeroporto, e sem receberem alimentos.

O comunicado do governo turco afirma que os passageiros receberam a permissão para sair do avião se quisessem, e que uma equipe médica estava de prontidão. A Turquia, em separado, submeteu um protesto formal à Síria, por violação das regras da aviação civil, e declarou o espaço aéreo sírio inseguro para aviões comerciais turcos.

O ministro dos Transportes da Síria, Mohammad Ibrahim, disse que o fato da Turquia ter interceptado um avião de passageiros e ter forçado a aeronave a descer em Ancara equivale a um ato de "pirataria".

Dentro da Síria, combates entre tropas de Assad e insurgentes continuaram nesta quinta-feira. O Observatório Sírio pelos Direitos Humanos informou que combates na província de Idlib, perto da Turquia, deixaram mais de 12 mortos, quando rebeldes atacaram um posto de controle do exército. O Observatório também disse que oito pessoas foram mortas e outras oito feridas quando atiradores desconhecidos atacaram um ônibus perto da cidade de Tartous, no Mediterrâneo. A agência estatal síria Sana disse que os homens que estavam no ônibus e foram mortos e feridos eram trabalhadores sírios que estavam no Líbano e voltavam para casa.

Na província de Deraa, no sul do país, atiradores mataram o irmão de um parlamentar sírio quando saquearam a casa do homem. Segundo a agência estatal Sana, o parlamentar em questão, Khalid al-Aboud, regularmente defende o governo sírio na televisão. O Observatório disse que atiradores também mataram o filho de outro parlamentar, Mohammed Kheir al-Mashi, na província de Idlib.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.