Avião sudanês seqüestrado pousa na Líbia

Boeing com 95 passageiros foi seqüestrada durante vôo entre cidade de Darfur e Cartum

Reuters e AP,

26 de agosto de 2008 | 15h03

Um avião de passageiros sudanês, seqüestrado durante um vôo entre a cidade de Nyala, na região de Darfur, e a capital Cartum, aterrissou na Líbia nesta terça-feira, 26. Havia pelo menos 95 passageiros no Boeing 737, que pertence a companhia Sun Air, informaram autoridades da aviação civil da Líbia. "Nós estamos em contato com oficiais da Líbia", declarou Hassam Jumaa, oficial da Sun Air, segundo a rede CNN. "Queremos resolver essa situação o mais rápido possível de uma forma que garanta a segurança de todos os passageiros."   Segundo Jumaa, não há sinal de terrorismo. "Nós checamos o avião, seguimos as normas de segurança. Ainda não temos informações de que tipo de armas eles usam", continuou, de acordo com a emissora americana.   Autoridades egípcias negaram permissão de pouso ao avião, que mudou de curso em direção à Líbia, de acordo com a emissora. As autoridades da Líbia confirmaram que a aeronave aterrissou em Kufra, no sul da Líbia, perto da fronteira com o Sudão e Egito.   As comunicações com o avião foram cortadas depois do seqüestro, informou a emissora Al-Jazeera. Ainda não está claro se o Boeing foi tomado por um ou vários seqüestradores.   Alguns passageiros eram integrantes da Autoridade de Transição em Darfur, governo interino responsável por um acordo de paz entre os grupos rebeldes e o governo do Sudão, declarou sob anonimato um oficial da segurança do aeroporto de Nyala.   A rede Al-Jazeera informou que os seqüestradores eram rebeldes membros de uma faccão do Movimento de Libertação do Sudão (SLM, na sigla em inglês), o que foi negado por um porta-voz rebelde. "Não temos parte nesse seqüestro. Isso é completamente contra nossos valores e objetivos. Nós condenamos o incidente da forma mais firme possível", declarou Yahya al-Bashir. A região de Darfur tem sido uma área de conflito desde o início de uma rebelião há cinco anos.   Exigências   Os seqüestradores exigiram que a aeronave seja reabastecida para poder voar a Paris. "O piloto relatou ao comando do aeroporto que os sequestradores não querem nenhuma negociação e têm apenas uma exigência: que o avião seja reabastecido para voar a Paris", informou a agência de notícias estatal libanesa Jana, citando Khaled Sassia, chefe do aeroporto de Kufrah. Eles pediram mapas para guiar o vôo de Kufrah a Paris. "O piloto também informou ao diretor do aeroporto que os sequestradores eram em dez, antes de voltar e dizer que o número poderia ser maior", acrescentou a agência.    Os seqüestradores negaram ofertas de autoridades líbias de providenciar comida aos passageiros. "Eles rejeitaram os pedidos do aeroporto de que dar atendimento médico aos passageiros que desmaiaram por causa de um problema com o ar-condicionado no avião", de acordo com informações da Jana.     (Matéria atualizada às 23h10)  

Tudo o que sabemos sobre:
LíbiaSudão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.