Aviões americanos e britânicos atacam radar no Iraque

Aviões militares americanos e britânicos atacaram nesta quarta-feira um sistema de radar nazona de exclusão de vôos no sul do Iraque, informaram fontes do comando americano em uma declaração.A presença do radar nessa zona "era uma ameaça para os aviões da coalizão", disse o Comando Central dos EUA em Tampa, Flórida (EUA), em uma declaração divulgada através de sua páginana internet.A declaração disse que o alvo se encontrava perto de Qurnah, cerca de 380 quilômetros a sudeste de Bagdá, e que foi atacado às 11h15 (hora local) desta quarta-feira.Em Bagdá, a agência oficial de notícias iraquiana disse que os aviões atacaram "nossas instalações civis e de serviço na província de Basra, provocando o martírio de um cidadão eferindo outros dois".Na declaração do Comando Central não houve, no entanto, menção a baixas. O comando americano se limitou a afirmar que os aviões aliados "nunca atacam povoações nem a infra-estruturacivil e se esforçam para evitar ferir civis". O Iraque costuma acusar os aviões americanos ebritânicos de atacar alvos civis em suas incursões.A agência iraquiana atribuiu a um porta-voz militar não-identificado ter dito que o ataque era "um novo crime" cometido pelos EUA "e seu seguidor, a Grã-Bretanha".A versão iraquiana não deu mais detalhes sobre o ataque nem sobre as baixas. Mais cedo, os inspetores da ONU que investigam apossível existência de armas proibidas no Iraque iniciaram nesta quarta-feira inspeções em quatro instalações governamentais e comerciais próximas a Bagdá, sem levar em conta o feriado deano-novo.Um comunicado da ONU informou que os locais a serem inspecionados incluíam uma instalação de manutenção de mísseis ao norte de Bagdá, a oficina de conserto de caminhões Al-Majd,no município da capital, uma cervejaria e uma engarrafadora da 7UP. O comunicado não explicou qual o interesse dos inspetores na cervejaria e na engarrafadora.Fontes da sede das Nações Unidas também informaram nesta quarta-feira que o chefe dos inspetores da ONU, Hans Blix, deverá irprovavelmente a Bagdá entre 18 e 20 de janeiro para manter conversações com dirigentes iraquianos na véspera da apresentação de um informe crucial sobre o tema dos armamentosperante o Conselho de Segurança da ONU.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.