Aviões anglo-americanos bombardeiam o sul de Bagdá

Aviões de combate anglo-americanosatacaram na noite de hoje a defesa aérea iraquiana ao sulde Bagdá, desencadeando disparos de artilharia antiaérea efazendo soar sirenes por toda a capital do Iraque. Moradoresassustados fugiram das ruas. O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, autorizou osataques na manhã desta sexta-feira, 10 anos depois de umacoalizão liderada pelos Estados Unidos e organizada por seu paiter expulsado tropas iraquianas do Kuwait. Em Washington, um porta-voz do Pentágono informou que a missãoera um "ataque de rotina" com o objetivo de destruir sistemasde radar que elevavam a capacidade do Iraque de ameaçar aviõesde combate britânicos e norte-americanos - alguns deleslocalizados fora da "zona de exclusão aérea" sulista. Em Bagdá, sirenes começaram a soar por volta das 21h locais,logo depois de explosões de armas antiaéreas nos extremos sul eoeste da cidade de mais de 5 milhões de habitantes. Os ataques aéreos pertubaram um tranqüilo dia de oraçõesmuçulmano de sexta-feira e alguns moradores se abraçaram empânico no interior de suas casas. Outros, entretanto, desafiaram o perigo para observar o céu egarantir que seus imóveis não corriam risco. "Quantas vezes eles vão destruir o que eles dizem que jádestruíram?", perguntou Samih Jamal, de 54 anos, um funcionáriopúblico aposentado. Cerca de 50 minutos depois de as sirenes terem começado a soar outras sirenes anunciaram o fim dos ataques aéreos. As pessoascomeçaram a sair lentamente às ruas, balançando suas cabeças ediscutindo os acontecimentos da última hora, mas logo voltaram asuas casas. A tevê estatal manteve sua programação regular. Outra estação,al-Shabab TV, começou a tocar hinos patrióticos e a mostrarcomandos treinando e marchando. As sirenes de Bagdá haviam soado pela última vez em 24 defevereiro de 1999, quando aviões de combate anglo-americanosatacaram alvos dentro da zona de exclusão aérea ao sul dacapital, matando e ferindo várias pessoas. O bombardeio de hoje foi o primeiro contra alvos fora da zonade exclusão aérea sulista desde dezembro de 1998, quando aviõesnorte-americanos e britânicos sustentaram uma campanha aérea dequatro dias contra o Iraque, informou o Pentágono. Os aviões anglo-americanos atingiram seus alvos hoje sem tercruzado a zona, usando armamento "pré-ajustado", que sãodirigidos até o alvo à distância, onde é mais seguro para ospilotos, disseram oficiais do Pentágono. Todos os aviõesretornaram em segurança às suas bases, acrescentaram. Os aviões envolvidos no ataque partiram de diversaslocalizações no Golfo Pérsico. Autoridades iraquianas não informaram imediatamente sobredanos e vítimas. Mas de acordo com a tevê iraquina, cincopessoas morreram e diversas ficaram feridas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.