Aviões israelenses matam uma pessoa e atacam Universidade de Gaza

O Exército israelense atacou, nas primeiras horas desta terça-feira (segunda-feira no Brasil), a Universidade Islâmica de Gaza, reduto do Hamas, pouco depois de outro míssil ter causado a morte de um jovem na cidade de Beit Hanoun.Testemunhas declararam que ouviram o barulho dos helicópteros Apache sobrevoando a cidade e que o foguete caiu perto da Sala de Conferências, no campus da Universidade Islâmica, causando graves danos materiais no edifício.O ataque contra a universidade, considerada uma das instituições dirigidas pelo Hamas, foi precedido pelo lançamento de um outro míssil por um avião de reconhecimento não pilotado que causou a morte de Ismael Al-Masri, de 19 anos.Fontes médicas garantiram que o jovem palestino foi atingido por fragmentos do foguete, que também deixou outras duas pessoas feridas em Beit Hanoun.O lançamento do foguete aconteceu nas últimas horas da noite de segunda-feira, enquanto 20 veículos, entre tanques, caminhões blindados e escavadeiras, entravam no povoado, no norte da Faixa de Gaza.Testemunhas afirmaram que dos terraços de suas casas viram como as colunas de caminhões e tanques entravam na área habitada por cerca de 30 mil pessoas com a intenção aparente de voltar a ocupá-la.UltimatoNesta segunda-feira, o primeiro-ministro israelense, Ehud Olmert, rejeitou o ultimato que as milícias palestinas - responsáveis pelo seqüestro do soldado Gilat Shalit - lhe deram, afirmando que "Israel não se deixará chantegear".Em nota à imprensa, o primeiro-ministro deixou claro que "Israel não negociará a libertação de prisioneiros" e que a Autoridade Nacional Palestina (ANP) "tem toda a responsabilidade pelo bem-estar do soldado e sua devolução são e salvo a Israel".O chefe das Forças Armadas israelenses, general Dan Halutz, disse na segunda-feira, em tom semelhante ao de Olmert, que Israel não se renderá à chantagem dos grupos terroristas que mantêm o soldado israelense seqüestrado há uma semana."Ultimato é um termo que deve ser esclarecido. Não posso explicar a palavra, mas a postura do Estado de Israel é a de que não irá se render perante grupos terroristas, e apóio esta posição", declarou Halutz durante uma visita à família do soldado na Galiléia.

Agencia Estado,

03 de julho de 2006 | 22h03

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.