Aviões militares retomam ataques contra manifestantes em vários setores de Trípoli

Segundo rede Al-Jazira, mercenários e militares também estão nas ruas reprimindo os protestos

Efe

22 de fevereiro de 2011 | 08h05

Manifestantes protestam na cidade de Tobruk contra regime de Kadafi. Foto: Reuters

 

CAIRO - A Força Aérea líbia bombardeou nesta terça-feira, 22, vários setores de Trípoli como parte de uma ofensiva aos protestos na capital líbia contra o regime de Muammar Kadafi, informou a rede catariana de televisão "Al-Jazira".

 

Veja também:

especialLinha do Tempo: 40 anos de ditadura na Líbia

mais imagens Galeria:   Veja imagens dos conflitos

especialInfográfico:  A revolta que abalou o Oriente Médio

blog Radar Global: Acompanhe os protestos na região

 

Conforme testemunhas citadas pela emissora, nas operações participam mercenários que se somaram às forças militares e de segurança da Líbia para reprimir os protestos.

 

 

 

A rede revelou que em um bairro ao leste de Trípoli ainda era possível ver corpos nesta terça nas ruas. Na véspera, 61 pessoas foram mortas pela repressão aos protestos públicos em Trípoli.

 

"Os aviões de guerra e os helicópteros estão bombardeando indiscriminadamente um setor após outro. Há muitos mortos", disse um das testemunhas citados pela "Al-Jazira", Adel Mohammed Saleh. Formam vistos ainda helicópteros militares transportando mercenários.

 

Enquanto isso, a cidade oriental de Benghazi, a segunda maior do país, segue nesta terça sob controle dos manifestantes contra o regime, depois que os quartéis fossem abandonados pelos soldados.

 

Na noite de segunda, Kadafi fez um breve pronunciamento na rede de televisão estatal, desmentindo rumores de que estaria na França ou na Venezuela e afirmando que se encontrava na capital do país.

 

O dia de ontem foi especialmente violento na Líbia, com aviões e helicópteros militares bombardeando áreas onde os manifestantes se concentravam. Mercenários contratados pelo governo também dispararam contra a população que estava nas ruas, matando cerca de 250 pessoas em apenas um dia, segundo fontes médicas. Kadafi é acusado pelas Nações Unidas de genocídio e crimes contra a humanidade.

 

 

Leia mais:

linkNa televisão, Kadafi ignora protestos e pressão internacional

linkHillary pede o fim do 'banho de sangue' na Líbia

linkMilitares de Kadafi bombardeiam manifestantes

linkCoronéis se negam a atacar e fogem para Malta

link'Kadafi está cometendo genocídio', diz diplomata

Tudo o que sabemos sobre:
Líbiamanifestaçõesrepressão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.