Avó de Barack Obama recebe ameaças de grupo ligado à Al-Qaeda

Polícia do Quênia aumentou segurança em torno da casa da família do presidente americano

estadão.com.br

12 de maio de 2011 | 16h02

NAIRÓBI - A polícia do Quênia informou nesta quinta-feira, 12, que vai ampliar a segurança em torno de Sarah Obama, a avó do presidente dos EUA, Barack Obama, após ela ter recebido ameaças de um grupo africano Al-Shabbab, ligado à organização terrorista Al-Qaeda, de acordo com informações da rede ABC.

 

Veja também:

especialAs franquias da Al-Qaeda

especialA trajetória de Osama bin Laden

especialPasso a passo da caçada a Bin Laden

 

A segurança e torno da casa da família Obama no Quênia aumentou desde que foi anunciada a morte do terrorista Osama bin Laden após uma operação dos militares americanos no fim de abril, mas o número de policiais cresceu consideravelmente após o Al-Shabbab fazer as ameaças. Os oficiais disseram que havia efetivo o suficiente para patrulhar "todo o vilarejo".

 

A avó de Obama, de 88 anos, porém, mostrou-se despreocupada com as ameaças e disse que não liga para o número de policiais do lado de fora da sua casa. "Minha vida não mudou em nenhum sentido, não me restringiu a nada. Se o governo trouxe mais segurança, por nós, tudo bem", disse.

 

A ameaça do Al-Shabbab, que comumente atua na Somália, é apenas uma entre várias enviadas por grupos radicais leais ao saudita. O próprio braço da Al-Qaeda no Iêmen já fez sérios avisos aos americanos. Um dos líderes da organização afirmou que "a batalha não acabou e a morte de Osama bin Laden não encerra a luta".

 

No início do ano, o Centro Nacional de Combate ao Terrorismo dos EUA firmou que a Al-Qaeda da Península Arábica, o braço sediado no Iêmen, é "a maior ameaça para os EUA em seu território". O secretário de Defesa americano, Robert Gates, disse que esse é o mais perigoso grupo da rede terrorista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.