Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Florencia Downes/EFE
Florencia Downes/EFE

Avós da Praça de Maio encontram o 117.º neto roubado na ditadura

Instituição afirmou que verdadeira identidade de mulher foi descoberta há dois dias, mas não divulgou detalhes 

Rodrigo Cavalheiro /Correspondente Buenos Aires, O Estado de S. Paulo

31 de agosto de 2015 | 13h03

BUENOS AIRES - A Associação argentina Avós da Praça de Maio anunciou nesta segunda-feira, 31, ter confirmado a identidade da 117.ª neta de desaparecidos políticos durante a última ditadura militar no país (1976-1983). A instituição pediu, em comunicado, que a privacidade dela, que descobriu ser parte dessa relação há dois dias, seja preservada. 

Exames genéticos comprovaram a ligação por meio do banco de dados com Dna de desaparecidos, segundo o jornal Perfil. A organização acredita que 400 pessoas cujos pais foram alvo do regime militar - mortos ou desaparecidos - foram adotadas ou compradas por famílias que os criaram com outra identidade. 

No ano passado, o neto de Estela de Carlotto, a presidente da instituição, recuperou sua verdadeira identidade como filho de desaparecidos na ditadura. 

Ignacio Hurban, que até então não sabia que era Guido Montoya Carlotto, o neto da mulher que há décadas lidera a busca de crianças sequestradas na última ditadura, nasceu durante o cativeiro de sua mãe em um centro prisional clandestino em junho de 1978, foi recolhido poucas horas depois de nascer e recebeu outra identidade. Sua mãe foi assassinada pelos repressores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.