Russian Foreign Ministry Press Service via AP
Russian Foreign Ministry Press Service via AP

Azerbaijão e Armênia acertam cessar-fogo em Nagorno-Karabakh

Trégua humanitária terá início ao meio-dia (hora local) de sábado e tem o objetivo de efetuar troca de prisioneiros e de corpos de vítimas

Redação, O Estado de S.Paulo

09 de outubro de 2020 | 21h59

MOSCOU - Após uma longa negociação, a Armênia e o Azerbaijão anunciaram em um comunicado conjunto nesta sexta-feira, 9, que concordaram com um cessar-fogo dos conflitos em Nagorno-Karabakh. A trégua terá início ao meio-dia de sábado (hora local). 

Reunidos em Moscou a convite do presidente Vladimir Putin, os chefes da diplomacia dos dois países informaram que a trégua tem o objetivo de efetuar a troca de prisioneiros e de corpos das vítimas, acrescentando que detalhes específicos serão acertados posteriormente. 

O anúncio foi feito após dez horas de conversações entre os diplomatas em Moscou, mediadas pelo chanceler russo, Serguei Lavrov. O chanceler disse que a trégua deveria preparar o caminho para conversas sobre a resolução do conflito.

Azerbaijão e Armênia se comprometeram a realizar "negociações substanciais para buscar rapidamente uma solução pacífica" para o conflito sob a égide dos co-presidentes do Grupo de Minsk da OSCE, informou Lavrov ao ler o comunicado.

A última onda de combates entre as forças do Azerbaijão e da Armênia começou em 27 de setembro e deixou centenas de mortos na maior escalada do conflito em décadas sobre Nagorno-Karabakh. A região fica no Azerbaijão, mas está sob controle das forças étnicas armênias apoiadas pela Armênia desde o fim de uma guerra separatista em 1994.

O balanço oficial de vítimas desta sexta-feira aumentou para mais de 400 mortos, incluindo 22 civis armênios e 31 azeris, embora o número real de vítimas possa ser muito maior, já que ambos os lados afirmam ter eliminado milhares de soldados inimigos./AFP e AP 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.