BA perde 145 mi de euros em medidas de segurança

O reforço nas medidas de segurança nos aeroportos britânicos, por causa de um suposto plano terrorista para explodir aviões, custou à British Airways (BA) 100 milhões de libras (145 milhões de euros), informou nesta sexta-feira a companhia. Em comunicado, a BA informou que o número é muito superior às estimativas iniciais de 40 milhões de libras (58 milhões de euros). Os atrasos e cancelamentos de vôos foram causados pela estrita segurança imposta pelas autoridades britânicas em agosto. O alto custo do combustível também prejudicou a companhia aérea britânica, que registrou uma queda de 27% em seu lucro bruto trimestral entre julho e setembro, com 176 milhões de libras (255 milhões de euros). No entanto, o lucro semestral até o fim de setembro subiu 1,6%, para 371 milhões de libras (537 milhões de euros). A receita no segundo trimestre do ano fiscal subiu 4,9%, ficando em 2,31 bilhões de euros (3,349 bilhões de euros). "Levando-se em conta o significativo impacto dos problemas de segurança, com um custo estimado de 100 milhões de libras, foram bons resultados. Apesar do ambiente operacional extremamente difícil, conseguimos uma melhora na receita", disse o diretor-executivo da BA, Willie Walsh. A BA também informou que chegou a um acordo para vender seu serviço regional BA Connect à companhia aérea Flybe. A BA Connect, com base em Manchester (norte da Inglaterra), emprega 1.900 pessoas e opera em 52 rotas, partindo de 13 aeroportos do Reino Unido. No dia 10 de agosto, o Governo britânico proibiu os passageiros de levarem líquidos nas bagagens de mão, após anunciar que tinha frustrado um suposto plano terrorista para explodir aviões comerciais em vôo rumo aos Estados Unidos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.